Pular para o conteúdo principal

≈ Saudades passadas de uma pessoa mortal


Talvez seja ainda cedo ou tarde
A realidade me arrancou meus brinquedos

Levou um tempo antigo que se foi

Junto consigo e me fez ver

A vida de um outro jeito

As palavras que digo já não são iguais

Não tem mais efeito

Aquelas coisas materiais tem mais direito

Do que uma emoção de uma mortal?

Não me deixem notar quando

O sol começar a se apagar

Ele pode ir mas nem quero olhar

Será que alguém quer?

Estou deixada e gravada
Nas páginas de um livro e não sou real
Um livro de poesias,de fantasias
Que tocáveis não serão
Mas a alma alimentará

A alma das pessoas mortais

A realidade precisa ser vista

E mais tarde escrita

Ah! Se essa minha alma fosse imortal!

Sem ter para onde se esconder

Aquela palavra não dita vai se calar

Minha voz é o que grita pelo despertar

O doce som de uma melodia

A única coisa, a única coisa a trazer alegria

Ainda posso respirar esse ar

Ir ao rio mergulhar

Posso subir na árvore

E olhar o mundo do alto

Mas o medo de dar saltos

Está voltando

Nem subo se não puder descer

Sem palavras para dizer

Nada vai escrever uma vida inteira

São aquelas brincadeiras que alegravam

São aquelas maneiras que os destinos traçam

Tiraram a lucidez da cabeça

Mas não esqueçam que estou aqui

Alguém que sorri com tristeza

Para ver aos outros sorrir

Mas agora alguém sem ter para onde ir

Se no meio da noite se acordar sem saber
Pode ser eu tentando proteger

Ou pode ser aquela luz de esperança

Que está a morrer


Fran.R.M

Comentários

Postar um comentário

Deixe aqui algumas palavras sobre o que compreendeu, a sua percepção do que leu...

Postagens mais visitadas deste blog

● Ponteiros tortos

Quantos sonhos loucos passaram por tua porta? Não viu as cores que tecem o céu, que mudou há tempos Perdemos a lucidez desde os anseios mais remotos Desde que a dúvida, calou qualquer tentativa torta
Me desnorteia respirar nesse véu de dias iguais Eu conversaria por horas dentro de mim mesma Com os mesmos traços e ainda os mesmos pedaços Embora sinto que meus anos correram demais
Voltaria para quem fui, correndo ao alento Retalhos do que bastou para amar, não seria para depois Basta de fugir do meu eu, sem contentamento! Eu e meus batimentos descompassados não somos dois 
Corremos na linha de qualquer outra perdição Entre a brandura e a loucura, sem ponteiros para seguir Na frente aos pés, aos poucos sinto a leve intuição Alguém mais despertou depois de tempos sem sentir?

Autoria: Franciéle R. Machado

• Avessos

Não sou eu há dias, ou horas Nem anteontem desde o sentido distorcido Que vaga beirando ao silêncio Linha tênue que embriaga
Não sou horizonte, nem estrada Pois parei em pontos distantes Além da lua e da noite E há dias permaneço assim intacta
E dentre tropeços, perdi os endereços Tenho casa só dentro de mim Para não dizer que sou perdida Nestas linhas vastas de insensatez
Não sei onde ficou o espelho Pois esta face não é minha Desde que me tornei ventania desfocada Que passeia sem qualquer adereço
Embora tenha no peito ideias sozinhas Que dos avessos perdem-se por aí Não sou eu, faz dias, um mês E quem sou? Linha do verso só por dizer?
Autoria: Franciéle Romero Machado

Amigos, desculpe a ausência do blog...Continuarei compartilhando cada verso com vocês!

Peito em estopim

Conversas do anoitecer
Só eu e você
Dentre olhares confortáveis

Reinvento, paisagens aleatórias de nós
O teu humor tão seguro de si
Um gosto de que algo entre nós 
Não pode fugir assim

Um salto no ar, pra quem quer tanto
Quando teus olhos me abraçam
Te percebo em cada canto
Da minha projeção mais impensável

Sei que não é pouco
Amar desperta a intenção
De embaralhar toda a nossa razão

Insano, como quem declara o que sente tão alto
E se o depois não houvesse?
Sorriria para ti, pois viveu um sonho em mim

Um tormento que me desatinou
Um suspiro em sua voz, ouço em meu interior
A vida que desabrochou de novo enfim

Quando nos reconstruímos
Mesmo quando parecera arrancar esse afeto por medo
Reviveu, peito em estopim

Pois decerto não era para ser o fim

Autoria: Fran Romero