Pular para o conteúdo principal

• Distúrbio sem prazo de acabar



Me pergunto com toda felicidade
Se eu parei antes da hora estando errada
Se eu desisti sem ao menos cair
A maldade me fazendo ir embora

Quando tudo anda com velocidade
Nunca saberei, mas há chance enterrada
E parei e acho que nem tentei
Tão cogitada no universo estou

Amanhã me bastará apenas
A pequena mocidade
Vagando por dezenas de faces familiares
Que brilham pelos ares com tantos disfarces
A porta da minha casa adquiriu asas
Há tanto lugar escuro no distúrbio do mundo
Um dormir profundo

Quando eles quiserem te fazer chorar
Tente suportar
Mesmo que pareça melhor desistir
O certo é se encontrar e sorrir

Vai saindo pela janela
Suas folhas com muitas indignações
Também serei aquela
No caderno rabiscado sem anotações

E se tentarem te deixar sem forças
Levante a cabeça
E desconheça
O distúrbio que passa pelo mundo
Uma hora deverá se terminar
---
Autoria: Franciéle.R.Machado

Comentários

  1. Linda. Minha vida é um eterno rabiscar coisas. deixar rastros que vão me dizer sem querer.
    Em tudo me vejo
    E você...
    Um pouco de mim está gravado em você e neles.
    E alguns deles querem me esquecer do mundo.
    Não vou chorar o passado
    Não vou me assustar com esses imundos.
    Vou continuar caminhando pelo mundo
    E voando...
    Também deixo rastros voando.

    ResponderExcluir
  2. "Quando eles quiserem te fazer chorar
    Tente suportar
    Mesmo que pareça melhor desistir
    O certo é se encontrar e sorrir"

    isso mesmo Franzinha, belo texto flor.

    bjs

    ResponderExcluir
  3. Escreve muito bem,me encontro em tuas palavras sinceras.

    ''Quando eles quiserem te fazer chorar
    Tente suportar
    Mesmo que pareça melhor desistir
    O certo é se encontrar e sorrir''

    É o verso que me chamou mais a atenção,suportar,aguentar até que ponto,até que ponto chega a nossa alma à aguentar as lágrimas que temos vontade de derramá-las?Basta sorrir...
    beijos.

    ResponderExcluir
  4. Oi Fran, te indiquei para um selo, passa lá no meu blog e pega... e dai vc segue as regras e passa para 7 blogs.
    Bjossss
    http://garotaborderline.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Oii, deixei um selo pra você no meu blog. Pegue e siga as regras!
    Beijos.


    http://botacadesabedoria.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Apoesia é uma forma de expressar-se especial. é única, as interpretações por mais que focalizadas nunca serão iguais entre duas pessoas. talvez seja essa a sua beleza, a capacidade de ser única.

    ResponderExcluir
  7. muito interessante como você expressa suas idéias, uma otima poesia, Parabéns *-*

    http://hell-boyy.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  8. *_*.. gostei
    Teus textos não são daqueles tipos de textos explícitos. Gostei, são do tipo que fazem reagir à concentração.
    Que faz com que encontre sentidos
    Em uma coisa que talvez nem seja!
    Parabéns tbm mocinha e brigada pela visita e selo q nem sei como é...shuahus
    Volto sempre! RS. =)

    ResponderExcluir
  9. Oi Fran,
    Adorei... "tentar suportar e não desistir, se encontrar e sorrir..."
    me identifiquei com o que escreveu,pois,todos os dias lutamos contra nós mesmos,e a batalha nem sempre é vencida,mas sim superada na medida do possível.
    http://garotaborderline.blogspot.com/

    Bj...minha escritora favorita!!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe aqui algumas palavras sobre o que compreendeu, a sua percepção do que leu...

Postagens mais visitadas deste blog

● Ponteiros tortos

Quantos sonhos loucos passaram por tua porta? Não viu as cores que tecem o céu, que mudou há tempos Perdemos a lucidez desde os anseios mais remotos Desde que a dúvida, calou qualquer tentativa torta
Me desnorteia respirar nesse véu de dias iguais Eu conversaria por horas dentro de mim mesma Com os mesmos traços e ainda os mesmos pedaços Embora sinto que meus anos correram demais
Voltaria para quem fui, correndo ao alento Retalhos do que bastou para amar, não seria para depois Basta de fugir do meu eu, sem contentamento! Eu e meus batimentos descompassados não somos dois 
Corremos na linha de qualquer outra perdição Entre a brandura e a loucura, sem ponteiros para seguir Na frente aos pés, aos poucos sinto a leve intuição Alguém mais despertou depois de tempos sem sentir?

Autoria: Franciéle R. Machado

• Avessos

Não sou eu há dias, ou horas Nem anteontem desde o sentido distorcido Que vaga beirando ao silêncio Linha tênue que embriaga
Não sou horizonte, nem estrada Pois parei em pontos distantes Além da lua e da noite E há dias permaneço assim intacta
E dentre tropeços, perdi os endereços Tenho casa só dentro de mim Para não dizer que sou perdida Nestas linhas vastas de insensatez
Não sei onde ficou o espelho Pois esta face não é minha Desde que me tornei ventania desfocada Que passeia sem qualquer adereço
Embora tenha no peito ideias sozinhas Que dos avessos perdem-se por aí Não sou eu, faz dias, um mês E quem sou? Linha do verso só por dizer?
Autoria: Franciéle Romero Machado

Amigos, desculpe a ausência do blog...Continuarei compartilhando cada verso com vocês!

Peito em estopim

Conversas do anoitecer
Só eu e você
Dentre olhares confortáveis

Reinvento, paisagens aleatórias de nós
O teu humor tão seguro de si
Um gosto de que algo entre nós 
Não pode fugir assim

Um salto no ar, pra quem quer tanto
Quando teus olhos me abraçam
Te percebo em cada canto
Da minha projeção mais impensável

Sei que não é pouco
Amar desperta a intenção
De embaralhar toda a nossa razão

Insano, como quem declara o que sente tão alto
E se o depois não houvesse?
Sorriria para ti, pois viveu um sonho em mim

Um tormento que me desatinou
Um suspiro em sua voz, ouço em meu interior
A vida que desabrochou de novo enfim

Quando nos reconstruímos
Mesmo quando parecera arrancar esse afeto por medo
Reviveu, peito em estopim

Pois decerto não era para ser o fim

Autoria: Fran Romero