Pular para o conteúdo principal

• Essa Noite

Lágrimas que caem
Enquanto a noite transparece calma
E pensamentos saem
Gritos do fundo da alma

Você parece não ouvir
Não consigo te passar o que estou a sentir
E quando olho rapidamente seu olhar
Sinto esse mundo se completar

E sempre se tem que ir
Deixando para trás amores iludidos
A noite que vi novamente me fez sentir
De novo com machucados feridos

Viver longe sempre será o que mais machucava
Apenas vivo me contentando com o vazio
E com sonhos perdidos nada se esperava
O amor que sinto não se contenta mais no frio

---

Autoria: Franciéle.R.Machado

Comentários

  1. Obaaa Fran!
    Mais um selinhoo?
    Obrigada!! *O*

    Como você tá? Quanto tempo, né?


    p.s.: pq seus poemas são tão lindos? rsrs xD

    beijos!

    ResponderExcluir
  2. Olá Fran,

    Li, reli e continuarei lendo, adorei essas e todas as suas poesias quando tiver mais tempo vou comentar todas, parabéns vc transpira poesia escreve muitíssimo bem! =)

    Vou tentar organizar meu template do blog pra colocar parceiros!!!

    Kárcio Sángeles

    Divulgue, Comente & Siga www.ecosdaalma.com

    ResponderExcluir
  3. Que poesia linda!!
    Amei... você tem muito talento!!
    Amo ler suas poesias...
    bjão

    ResponderExcluir
  4. Linda poesia.Parabens pelo seu talento.

    Só lembrar não basta mais.
    É assim,
    O amor é como uma ferida aberta
    que teima em se fazer sentir
    Doi mas é bom.

    ResponderExcluir
  5. Fran... adorei o seu blog... muito maneiro... eu tava olhando seu perfil... minha nossa... vc curte qse tudo q eu... Futebol, Poesias... pra gostar de poesias... precisa gostar de ler néh... além de q curte rock... curte Evanescence :D ... adorei vc e o seu blog... então... vai uma parceria aí? meu nome é Ewerton ^^

    Ta aí o meu blog
    http://esmdownload.blogspot.com/

    O meu interesse maior está no seu blog e não em divulgar o meu... + uma parceria dessa é tudo o que eu quero... abraços

    ResponderExcluir
  6. Outra coisa... ja estou divulgando o seu blog ^^

    ResponderExcluir
  7. Por mais que as palavras possam soar belas em cada verso, as vezes parece que não existem palavras suficiente para a expressão do "eu interior". Talvez realmente não existam palavras suficientes neste sentido. Em noites aparentemente calmas, muitas vezes são as lágrimas derramadas q fazem aquilo q as palavras não conseguem fazer, pelo menos naquele momento....

    PS: Quanto a parceria , aceito sim e já coloquei o seu banner no meu blog e vc pode pegar o meu na coluna da direita, lá perto do final da minha página.Se precisar que ajuste o tamanho para combinar melhor com o teu blog é só falar comigo, caso não saiba como ajustar. E quando fizer o banner do teu outro blog, pode me avisar q tb ponho lá!

    Beijos minha querida Fran, e que o seu domingo seja maravilhoso! :)

    [ ]´s

    ResponderExcluir
  8. Um dos mais bonitos feitos por você poetisa...
    Eu aceitei o selo, não há como recusar...
    Obrigado por todo o carinho, recíproco.
    Um beijo menina de talento.

    ResponderExcluir
  9. OI fRAN..OBRIGADO PELO SELINHO...MUITO LINDO ADOREI!
    BJOS

    ResponderExcluir
  10. Gostei bastante da poesia

    A forma como vc mostra várias situações para chegar ao fim é bem legal, tipo "Lágrimas que caem
    Enquanto a noite transparece calma
    E pensamentos saem
    Gritos do fundo da alma"

    muita gente segue sempre uma mema linha.

    http://karloalmeida.blogspot.com
    to seguindo
    da uma passada no meu ;p
    té mais

    ResponderExcluir
  11. Lindo seu blog! Parabens!


    http://tagsdisney.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  12. Que poesia linda, você tem muita sensibilidade para expressar em palavras!

    Gostaria de agradecer sua presença em meu blog, seja bem vinda!^^

    http://twitter.com/aescrituraviva

    ResponderExcluir
  13. " Gritos do fundo da alma... voce nao consegue mais ouvir... " ESPLENDIDO AMOR! gritamos ate explodirmos nossa alma, e ninguém, ninguém por perto... os sonhos se partiram em desespero. O amor desvaiu-se. Premedite isso tudo, pois pode acontecer absolutamente com todos nós, precisamos encaixar nossos amores em sintonia conosco. Continue soltando todos os arrepios dolorosos e inquietantes que te deixam insaciavel desta forma linda. Parabéns Fran bjs

    ResponderExcluir
  14. Poxa Fran, não há como não amar seus textos, seus poemas ;*

    Bom, infelizmente não deu para eu passar para a ufrj :/
    Mas, como eu disse no meu meu post, "vida que segue"...
    Desde já agradeço muito pela força que tinhas me dado :*

    Beijo e obrigada msm!

    P.s.: Obrigada pelo selinho, postareio no meu próximo postt!

    ResponderExcluir
  15. eu tava procurando blog bom de poesia assim
    *oo*to seguindo aqui me segue ?
    http://naoseisequeromais.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  16. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  17. Muito lindo seu blog.
    Adorei tudo que li, texto de grande sensibilidade que entorpece a alma.
    Deixo o convite para que visite o meu "cantinho", espero que goste.

    Beijos no coração

    ResponderExcluir
  18. Vim agradecer-te pela visista e deparo-me com esse tão interessante blog e com tantas belas poesias!
    Sou-lhe grata pelo convite
    Parabéns!
    abraços no coração!

    ResponderExcluir
  19. "(...) O amor que sinto não se contenta mais no frio." =/

    ResponderExcluir
  20. eH, guria!!
    Quantos fãs!! hehehe...
    Enfim, vc parece ter toda a admiração de que precisa, hein!
    Que bom, isso mostra que Deus te presenteou com um dos melhores dons que alguém pode receber. Gostei bastante deste poema, é bonito e sincero, facilmente poderia virar uma música, se é que nunca foi.
    Abraços do outro lado do mapa!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe aqui algumas palavras sobre o que compreendeu, a sua percepção do que leu...

Postagens mais visitadas deste blog

● Ponteiros tortos

Quantos sonhos loucos passaram por tua porta? Não viu as cores que tecem o céu, que mudou há tempos Perdemos a lucidez desde os anseios mais remotos Desde que a dúvida, calou qualquer tentativa torta
Me desnorteia respirar nesse véu de dias iguais Eu conversaria por horas dentro de mim mesma Com os mesmos traços e ainda os mesmos pedaços Embora sinto que meus anos correram demais
Voltaria para quem fui, correndo ao alento Retalhos do que bastou para amar, não seria para depois Basta de fugir do meu eu, sem contentamento! Eu e meus batimentos descompassados não somos dois 
Corremos na linha de qualquer outra perdição Entre a brandura e a loucura, sem ponteiros para seguir Na frente aos pés, aos poucos sinto a leve intuição Alguém mais despertou depois de tempos sem sentir?

Autoria: Franciéle R. Machado

• Avessos

Não sou eu há dias, ou horas Nem anteontem desde o sentido distorcido Que vaga beirando ao silêncio Linha tênue que embriaga
Não sou horizonte, nem estrada Pois parei em pontos distantes Além da lua e da noite E há dias permaneço assim intacta
E dentre tropeços, perdi os endereços Tenho casa só dentro de mim Para não dizer que sou perdida Nestas linhas vastas de insensatez
Não sei onde ficou o espelho Pois esta face não é minha Desde que me tornei ventania desfocada Que passeia sem qualquer adereço
Embora tenha no peito ideias sozinhas Que dos avessos perdem-se por aí Não sou eu, faz dias, um mês E quem sou? Linha do verso só por dizer?
Autoria: Franciéle Romero Machado

Amigos, desculpe a ausência do blog...Continuarei compartilhando cada verso com vocês!

Peito em estopim

Conversas do anoitecer
Só eu e você
Dentre olhares confortáveis

Reinvento, paisagens aleatórias de nós
O teu humor tão seguro de si
Um gosto de que algo entre nós 
Não pode fugir assim

Um salto no ar, pra quem quer tanto
Quando teus olhos me abraçam
Te percebo em cada canto
Da minha projeção mais impensável

Sei que não é pouco
Amar desperta a intenção
De embaralhar toda a nossa razão

Insano, como quem declara o que sente tão alto
E se o depois não houvesse?
Sorriria para ti, pois viveu um sonho em mim

Um tormento que me desatinou
Um suspiro em sua voz, ouço em meu interior
A vida que desabrochou de novo enfim

Quando nos reconstruímos
Mesmo quando parecera arrancar esse afeto por medo
Reviveu, peito em estopim

Pois decerto não era para ser o fim

Autoria: Fran Romero