Pular para o conteúdo principal

• Cortinas Rasgadas



Calada
Não consigo totalmente desabafar
Sonhando sempre só e desnorteada
Pelo tempo improvável que deixei a esperar

Esperando com um pequeno sorriso
O nada, de todo esse nada
É a esperança de um trajeto indeciso
E esse nada, é outra canção não aproveitada

Pois esse vento que me levanta
Vem a ser o mesmo que depois me espanta
E as cortinas rasgadas me impedem de sorrir

De demonstrar meu expressar, falar
Ao ressurgir e me mostrar
Retorno bruscamente a saída para fugir

Novamente pareço não ouvir aplausos
Por buscar ocultas soluções
Batam palmas a todos que lutam também!

Peço um breve abraço
Forças que se juntam a redenções
Aquele ninguém se tornou alguém

As cortinas rasgadas se renovam
E as lutas agora provam
O poder da força de um mero abraço, aplauso

A saída é o amor?
Talvez seja isso algo meio que questionador
---
Autoria: Franciéle.R.Machado

Comentários

  1. gente eu como também ator sempre achei que o amor estava atrás das cortinas

    lindo Fran,cada vez melhor

    ResponderExcluir
  2. A saída é o amor!! Linda poesia, lindo coração o seu Fran!! Beijos :)

    ResponderExcluir
  3. Que saudadesssssssssssssssssss minha Rara!!!Desculpe a minha ausencia!!Esto ude volta!!!AMEI o texto!!!

    Como sempre uma poeta, sabendo expressar em palavras coisas mais belas e do fundo do coração!!SHOWWWWWW

    Beijossss

    ResponderExcluir
  4. A retórica no final foi a cereja do bolo.
    Meus parabéns, lindo texto, bela reflexão!

    ResponderExcluir
  5. Ei, Fran! Vim retribuir a visita, o follow, o comentário - adorei as cores e tudo mais. Eu estou no trabalho agora, mas voltarei logo que chegar em casa pra conhecer mais da sua poesia, ok?!

    Obrigada pela gentileza do seu comentário lá no Poesia Torta. Beijo carinhoso!

    ResponderExcluir
  6. gostei muito
    da mow sdd
    mas bem legal

    ResponderExcluir
  7. réé.. show o blog! ta de parabens!!
    www.zedastirinhas.net

    ResponderExcluir
  8. adorei ,voçe escreve muito bem *-*
    parabens .

    ResponderExcluir
  9. gostei do poema!
    eu t dou um abraço!!
    =]
    olha aew comentei,e olha que passei vc na frente viu?
    abç

    http://nikomoska.blogspot.com

    ResponderExcluir
  10. Garota vc é um talento da poesia junte todas e faça um livro...Eu comprarei e tenho certeza não serei a unica vc é magnifica...


    bjus tenha um otimo fim de semana...

    ResponderExcluir
  11. Você passou essa ideia de começar de novo, um novo sorriso, uma nova vida, de forma tão sutil e harmoniosa... Quase uma música, que nos faz fechar os olhos e curtir pela eternidade!
    Maravilhoso!
    Beijos,

    ResponderExcluir
  12. Olá!
    Seu blog é lindo!
    Suas escritas são excelentes e encantadoras.
    Parabéns pelo dom divino.
    Tenha uma semana especial.
    Carinhosamente, Lady.

    ResponderExcluir
  13. alô, linda!
    Sou seu fã. Mais um trabalho de primor.
    Deus te abençoe.

    ResponderExcluir
  14. Um lindo poema.
    Obrigada por partilhar com os seus seguidores.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  15. Esse me fez pensar bastante.Talvez pelo momento que estou vivendo.A foto,o título e poema estão todos combinando perfeitamente.Boa noite!

    ResponderExcluir
  16. Tem selo pra vc lá no meu blog :n
    Para copiar a imagem é só clicar em cima dela!

    ResponderExcluir
  17. Passei para deixar o meu bom dia, com amor e poesia:

    "Aos pássaros Deus deu o vôo e o canto, aos que amam Ele dá o sonho e o encanto. Quem ama de verdade não consegue voar,porém de tão leve espírito, chega até a flutuar"

    ©Valter Montani

    ResponderExcluir
  18. Uma gaúcha :)
    Linda a poesia... eo blog!

    beijos!

    ResponderExcluir
  19. QUE LINDO O TEXTOOO.... MUITO BOM!

    Postagem nova aquii, bjs

    ResponderExcluir
  20. Li seus poemas e me encantei-me
    parabéns .

    seguindo-te jah *----*

    ResponderExcluir
  21. "Aquele ninguém se tornou ninguém"... Não vai ser assim!

    Abraço. =]

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe aqui algumas palavras sobre o que compreendeu, a sua percepção do que leu...

Postagens mais visitadas deste blog

● Ponteiros tortos

Quantos sonhos loucos passaram por tua porta? Não viu as cores que tecem o céu, que mudou há tempos Perdemos a lucidez desde os anseios mais remotos Desde que a dúvida, calou qualquer tentativa torta
Me desnorteia respirar nesse véu de dias iguais Eu conversaria por horas dentro de mim mesma Com os mesmos traços e ainda os mesmos pedaços Embora sinto que meus anos correram demais
Voltaria para quem fui, correndo ao alento Retalhos do que bastou para amar, não seria para depois Basta de fugir do meu eu, sem contentamento! Eu e meus batimentos descompassados não somos dois 
Corremos na linha de qualquer outra perdição Entre a brandura e a loucura, sem ponteiros para seguir Na frente aos pés, aos poucos sinto a leve intuição Alguém mais despertou depois de tempos sem sentir?

Autoria: Franciéle R. Machado

• Avessos

Não sou eu há dias, ou horas Nem anteontem desde o sentido distorcido Que vaga beirando ao silêncio Linha tênue que embriaga
Não sou horizonte, nem estrada Pois parei em pontos distantes Além da lua e da noite E há dias permaneço assim intacta
E dentre tropeços, perdi os endereços Tenho casa só dentro de mim Para não dizer que sou perdida Nestas linhas vastas de insensatez
Não sei onde ficou o espelho Pois esta face não é minha Desde que me tornei ventania desfocada Que passeia sem qualquer adereço
Embora tenha no peito ideias sozinhas Que dos avessos perdem-se por aí Não sou eu, faz dias, um mês E quem sou? Linha do verso só por dizer?
Autoria: Franciéle Romero Machado

Amigos, desculpe a ausência do blog...Continuarei compartilhando cada verso com vocês!

Peito em estopim

Conversas do anoitecer
Só eu e você
Dentre olhares confortáveis

Reinvento, paisagens aleatórias de nós
O teu humor tão seguro de si
Um gosto de que algo entre nós 
Não pode fugir assim

Um salto no ar, pra quem quer tanto
Quando teus olhos me abraçam
Te percebo em cada canto
Da minha projeção mais impensável

Sei que não é pouco
Amar desperta a intenção
De embaralhar toda a nossa razão

Insano, como quem declara o que sente tão alto
E se o depois não houvesse?
Sorriria para ti, pois viveu um sonho em mim

Um tormento que me desatinou
Um suspiro em sua voz, ouço em meu interior
A vida que desabrochou de novo enfim

Quando nos reconstruímos
Mesmo quando parecera arrancar esse afeto por medo
Reviveu, peito em estopim

Pois decerto não era para ser o fim

Autoria: Fran Romero