Pular para o conteúdo principal

• Tão vulnerável



Tarde sem o esmero céu com cor
Vulnerável está tudo tão pálido
Embaralho as poucas horas ao esplendor
Contando com o curto e estremecido passado

Esta minha chance de inventar
Destina-se ao prazer de buscar descobrir
O dia nublado passará e volto a imaginar
Esse dia assim tão silencioso deve logo se ir

No fundo de mim talvez seja diferente
Eu goste do dia molhado, meio envolvente
Apenas por hoje é um não dito

Isso é uma magoa desse destino
Como tudo se borrou em desatino
Ao céu a escurecer, tudo omito
---
Autoria: Franciéle.R.Machado

Comentários

  1. Vulnerável e sensível. Sensibilidade de poeta. Parabéns, Fran. Um bom final de semana, beijos no seu coração :g

    ResponderExcluir
  2. Belo soneto Fran!
    A combinação das palavras, seu ritmo sempre doce e envolvente...você vai longe menina. Parabéns.

    ResponderExcluir
  3. Lindo poema. Você escreve muito bem, meus parabéns! Espero ler um livro seu daqui alguns anos.

    ResponderExcluir
  4. Mto bom o poema! Parabéns

    http://protozooario.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Oi...foi mal pela demora...ja estou seguindo =)

    http://protozooario.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Não há melhor coisa, na minha opinião, que fazer da natureza o palco para exposição de sentimentos... Esplêndido poema!
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. querida,
    obrigada pelas gentis palavras no meu espaço.eu vim para ficar hehehe.......Sempre me vem milhares de pensamentos e emoções quando leio suas palavras.
    Bela poesia!!
    Beijos.

    ResponderExcluir
  9. Postei um selo pra você no meu blog,espero que goste.

    ResponderExcluir
  10. Bacana, Fran! Mais uma vez, parabéns por seu blog e tb pelo soneto :)
    Um dia, hei de aprender a escrever sonetos! hehe. Bonito esse que vc escreveu.
    Abraços e saudações literárias ;)

    ResponderExcluir
  11. o céu escurece, vem a chuva, molha a tua alma
    e tu nos presenteia com tão maravilhosa poesia

    ^^

    abraços

    ResponderExcluir
  12. Adorei o seu blog. Muito Bom!
    Tem um selo pra você lá no meu blog.
    :)
    beijos

    ResponderExcluir
  13. Eii, vc escreve muito beem
    Parabéens, ótimo blog!
    Bjos

    ResponderExcluir
  14. Interessante a relação da natureza com teus sentimentos e sensações, o céu nublado passará, e o que é de nós poetas se um dia não passar? E apreciará o cheiro e aroma de terra molhada que disseste ter gosto. Belíssima poesia, parabéns pelos versos, sempre surpreendendo.

    Um cordial abraço.

    ResponderExcluir
  15. É impressionante guriazinha! Beibarbaridade! Como tu escreve bem,é um doce essas tuas poesias, que leveza! Siga escrevendo, pois, tenho certeza de que um dia ainda lerei um livro teu...

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  16. Já coloquei o seu banner no meu blog também. E parabéns novamente, você escreve com perfeição. A cada lida o poema parece mais belo.

    ResponderExcluir
  17. Bom, o que prova a sinceridade de todos meus comentários é que basicamente vc escreve sobre coisas que me agradam muito, existe uma tendência melancólica que parece enganosa, não como uma melancolia verdadeira, mas uma espécie de serenidade, um meio-termo entre o alegre e o triste, porém crítico, observador...
    Mas desta vez não serão apenas elogios, hehehe... Bom, mas é uma bobagem: fiquei tentado a chamar esse poema de "soneto de tal" ou algo nessa linha. Entretanto, pelo menos vc intitula suas coisas, pq eu tenho obssessão por títulos, kkkk.
    Bjs, Fran, seu talento é uma grande riqueza. Cristo continue te abençoando.

    ResponderExcluir
  18. querida :t
    adoro seu espaço.
    relendo seu peoma ele fica mais encantador.
    lindo dia com bjos.
    :g

    ResponderExcluir
  19. Voce q fez seu layout ?

    me ajuda a fazer um kkkkkkkkkkkkk

    bjO

    ResponderExcluir
  20. Oii Fran

    é q eu queria fazer um pra mim,mas n sei .
    Cria um templante aushuashuh'

    beeeeijO : )

    ResponderExcluir
  21. amiga,
    lindo final de semana...
    volto na segunda-feira.
    bjos com carinho.

    ResponderExcluir
  22. Franciele,
    muito legal seus poemas ... gostei demais de todo o blog ..
    beijos

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe aqui algumas palavras sobre o que compreendeu, a sua percepção do que leu...

Postagens mais visitadas deste blog

● Ponteiros tortos

Quantos sonhos loucos passaram por tua porta? Não viu as cores que tecem o céu, que mudou há tempos Perdemos a lucidez desde os anseios mais remotos Desde que a dúvida, calou qualquer tentativa torta
Me desnorteia respirar nesse véu de dias iguais Eu conversaria por horas dentro de mim mesma Com os mesmos traços e ainda os mesmos pedaços Embora sinto que meus anos correram demais
Voltaria para quem fui, correndo ao alento Retalhos do que bastou para amar, não seria para depois Basta de fugir do meu eu, sem contentamento! Eu e meus batimentos descompassados não somos dois 
Corremos na linha de qualquer outra perdição Entre a brandura e a loucura, sem ponteiros para seguir Na frente aos pés, aos poucos sinto a leve intuição Alguém mais despertou depois de tempos sem sentir?

Autoria: Franciéle R. Machado

• Avessos

Não sou eu há dias, ou horas Nem anteontem desde o sentido distorcido Que vaga beirando ao silêncio Linha tênue que embriaga
Não sou horizonte, nem estrada Pois parei em pontos distantes Além da lua e da noite E há dias permaneço assim intacta
E dentre tropeços, perdi os endereços Tenho casa só dentro de mim Para não dizer que sou perdida Nestas linhas vastas de insensatez
Não sei onde ficou o espelho Pois esta face não é minha Desde que me tornei ventania desfocada Que passeia sem qualquer adereço
Embora tenha no peito ideias sozinhas Que dos avessos perdem-se por aí Não sou eu, faz dias, um mês E quem sou? Linha do verso só por dizer?
Autoria: Franciéle Romero Machado

Amigos, desculpe a ausência do blog...Continuarei compartilhando cada verso com vocês!

Peito em estopim

Conversas do anoitecer
Só eu e você
Dentre olhares confortáveis

Reinvento, paisagens aleatórias de nós
O teu humor tão seguro de si
Um gosto de que algo entre nós 
Não pode fugir assim

Um salto no ar, pra quem quer tanto
Quando teus olhos me abraçam
Te percebo em cada canto
Da minha projeção mais impensável

Sei que não é pouco
Amar desperta a intenção
De embaralhar toda a nossa razão

Insano, como quem declara o que sente tão alto
E se o depois não houvesse?
Sorriria para ti, pois viveu um sonho em mim

Um tormento que me desatinou
Um suspiro em sua voz, ouço em meu interior
A vida que desabrochou de novo enfim

Quando nos reconstruímos
Mesmo quando parecera arrancar esse afeto por medo
Reviveu, peito em estopim

Pois decerto não era para ser o fim

Autoria: Fran Romero