Pular para o conteúdo principal

• A vista paciência

E com esse acelerado palpitar momentâneo
O tempo se congelou de um modo drástico
A minha razão ainda reside no subterrâneo
Mostra-se escondida e o viver estático

Guardou-se de todas as conversas
Esqueci o sono que estava chegando
Por fim fico com tantas controversas
Ao mirar o pensar sussurrando

Não mais ressuscita o voltar atrás
Ou talvez se complete algo sensato
A inteligência de procurar alguma paz
A minha razão procura deixar intacto

Tudo, as palavras, algum sentimento
A voz que em um momento congelei
Agindo assim é o maior fingimento
Em alguns casos a melhor lei

Despedacei todos os fracassos
Devolvi planos nunca conseguidos
Limitados passos
Aos poucos, o destino tem resolvido

Ou quem sabe não!
Vivendo com razão e sabendo o melhor
A paciência perante cada afirmação
Na espera do que vier ao redor
---
Autoria: Franciéle R.Machado

Comentários

  1. e se de tudo se tira alguma lição, um dia chegamos ao ponto de saber mais do que ontem e do que hoje até.


    Abraço do Jefhcardoso do http://jefhcardoso.blgospot.com

    ResponderExcluir
  2. Garota vc escreve lindamente, é um perfume no ar que encanta. Belíssimo sua poesia. Obrigado por me seguir. Abraço com afeto e açucar.

    ResponderExcluir
  3. oi querida, gostei muito daqui, ja seguindo tha?

    Beijos*

    ResponderExcluir
  4. fran, incrível como vc nem precisa fazer propaganda do teu blog, né? Eu já venho aqui automaticamente, é como um ímã. Só o faço pq vale a pena.
    E esta é mais uma poesia bem inspirada... Aos poucos vou definindo em minha mente teu estilo. Quem sabe futuramente ao ver um dos teus poemas por aí eu saque q é teu por causa dos teus traços...
    Bjs. Cristo te abençoe mais ainda.

    ResponderExcluir
  5. olá!
    Nossa, gostei muito da sua forma de escrever. Preoculpada as vezes com métrica e a real intenção do assunto, sabendo largar de mão uma técnica ou outra nas horas certas. Parabéns.
    convido voce a participar do meu blog, estou criando agora.
    www.rodrigocoelhofreitas.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Agradeço por cada comentário recebido! :c

    Nesse momento não responderei os comentários, mas juro que em breve os respondo! :q

    Bjos a Todos!

    ResponderExcluir
  7. Oi Fran... lembra de mim?
    sou eu... Ewerton... dono do ESM DOWNLOAD... nega... vc me add no msn e eu aceitei... contudo ainda não vi vc online... teria condições de vc mandar o seu... preciso falar muito com vc se possível for... desde ja agradeço... um grande abraço... EWERTON

    ResponderExcluir
  8. Amo vim aqui contemplar tuas rimas
    Acho que ja faz parte da minha sina...
    Lindo!
    Parabéns
    Abraços no coração!

    ResponderExcluir
  9. "A paciência perante cada afirmação
    Na espera do que vier ao redor"

    ...A paciência perante cada afirmação...

    Adorei isso!

    Segui aqui!
    Bjs

    ResponderExcluir
  10. oi fran,
    lindo tudo que escreve,
    sua poesia é linda.
    encanta.
    precisamos ser seguidoras uma da outra o que acha??
    uma linda noite com bjos.

    :o

    ResponderExcluir
  11. ='] Tuas palavras são tocantes, de um modo triste ou feliz em geral, adoro ler teus textos, é meio que pactuante.
    Não apareço o tanto que gostaria, mas sempre estarei por aqui.
    Que para ti o amanhã amanheça não apenas por causa do sol, beijos!

    ResponderExcluir
  12. Muito lindo seu poetar amiga, adorei, parabéns!
    Bjssssssssssssss
    Gena Maria

    ResponderExcluir
  13. amiga (o)
    ausente por alguns dias.
    reformas no meu espaço.
    volto logo não se esqueça de mim rsrs.
    com carinho e bjos da rita...
    :g

    ResponderExcluir
  14. fran,
    adorei vocçe comigo agora sim hehehehe
    ha sou sua seguidora.
    bjos.
    :t

    ResponderExcluir
  15. Oie, to aki de novo, li o que estva faltando, vc já é uma grande poeta menina, parabéns!
    Bjsssssssss
    Gena Maria

    ResponderExcluir
  16. Nossa que habilidade para rimas que vc tem e a foto combinou perfeitamente.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe aqui algumas palavras sobre o que compreendeu, a sua percepção do que leu...

Postagens mais visitadas deste blog

● Ponteiros tortos

Quantos sonhos loucos passaram por tua porta? Não viu as cores que tecem o céu, que mudou há tempos Perdemos a lucidez desde os anseios mais remotos Desde que a dúvida, calou qualquer tentativa torta
Me desnorteia respirar nesse véu de dias iguais Eu conversaria por horas dentro de mim mesma Com os mesmos traços e ainda os mesmos pedaços Embora sinto que meus anos correram demais
Voltaria para quem fui, correndo ao alento Retalhos do que bastou para amar, não seria para depois Basta de fugir do meu eu, sem contentamento! Eu e meus batimentos descompassados não somos dois 
Corremos na linha de qualquer outra perdição Entre a brandura e a loucura, sem ponteiros para seguir Na frente aos pés, aos poucos sinto a leve intuição Alguém mais despertou depois de tempos sem sentir?

Autoria: Franciéle R. Machado

• Avessos

Não sou eu há dias, ou horas Nem anteontem desde o sentido distorcido Que vaga beirando ao silêncio Linha tênue que embriaga
Não sou horizonte, nem estrada Pois parei em pontos distantes Além da lua e da noite E há dias permaneço assim intacta
E dentre tropeços, perdi os endereços Tenho casa só dentro de mim Para não dizer que sou perdida Nestas linhas vastas de insensatez
Não sei onde ficou o espelho Pois esta face não é minha Desde que me tornei ventania desfocada Que passeia sem qualquer adereço
Embora tenha no peito ideias sozinhas Que dos avessos perdem-se por aí Não sou eu, faz dias, um mês E quem sou? Linha do verso só por dizer?
Autoria: Franciéle Romero Machado

Amigos, desculpe a ausência do blog...Continuarei compartilhando cada verso com vocês!

Peito em estopim

Conversas do anoitecer
Só eu e você
Dentre olhares confortáveis

Reinvento, paisagens aleatórias de nós
O teu humor tão seguro de si
Um gosto de que algo entre nós 
Não pode fugir assim

Um salto no ar, pra quem quer tanto
Quando teus olhos me abraçam
Te percebo em cada canto
Da minha projeção mais impensável

Sei que não é pouco
Amar desperta a intenção
De embaralhar toda a nossa razão

Insano, como quem declara o que sente tão alto
E se o depois não houvesse?
Sorriria para ti, pois viveu um sonho em mim

Um tormento que me desatinou
Um suspiro em sua voz, ouço em meu interior
A vida que desabrochou de novo enfim

Quando nos reconstruímos
Mesmo quando parecera arrancar esse afeto por medo
Reviveu, peito em estopim

Pois decerto não era para ser o fim

Autoria: Fran Romero