Pular para o conteúdo principal

• Lacuna de imperfeição

Você marcou algo no meu coração
Seria segredo se não fosse cada olhar
É ruim se esconder em imperfeição
Sempre se ouve algo no silenciar
Não é nada, a sua ausência total
Em acaso ando me perdendo isolada
Acho que você é um ser irreal
Sumiu e deixou alguma parte marcada

Terno tem sido somente sentir aperto
No coração propenso a inquietação
Só que ao menos só estive perto
Não falei nada no meio da agitação
Que descontente arranca a miragem
Silenciosa que cobre o depois
Sentir pode ser de passagem
Que vai querer quebrar a nós dois

Só sente algo desnorteado e não quebra
Um grito soa do meu peito revoltado
A fim de quebrar das horas a regra
Insistindo para que passem rápido
A paciência estava sendo medida
Talvez eu nem saiba quem você venha a ser
E será uma desnecessária despedida
A confusão vai se corromper

Só acho que o menos doloroso é ser inconstante
Para a dor queria trazer esse calmante
E não o esperar a todo o instante
Isso só sufoca meu estado intolerante
---
Autoria: Franciéle R.Machado
Imagem: Andrea Hubner

Comentários

  1. Porque Inanna vai cuidar do seu coração guerreiro, eis a partilha da sua força e tenacidade...

    o touro de Inanna


    A vida próspera e afortunada de minha família renova-se
    E Gilgamesh tem honrado todos os compromissos assumidos
    Com meu avô que incansável ajudou Enmerkar a construir Uruk
    E minha avó, sacerdotisa de Nisuh, esposa de Enmerkar e deusa
    E ambos discípulos de Inanna, progenitores do grande Gilgamesh
    Meu Senhor, que autoriza apascentar meus bois nos pastos reais
    Me oferece o serviço dos seus escravos nas sementeiras e colheitas
    E assim nunca me falta carne nem escasseiam nas tulhas cereais
    Nem linho e lã, ânforas e potes, cestas e peles, frutos secos e mel
    Mirra e rosmaninho, açafrão e sal, peças de alabastro e terracota.

    Na última oferenda feita a Inanna, A deusa revelou-me que A Deus
    Sim, Arina, vai ajudar Gilgamesh a derrotar Kish finalmente
    E que essa vitória será derradeira e total, pródiga e promissora
    E justa, fazendo de Uruk o maior Estado, maior ainda que Ur
    Com quem desde Meskiaggasher temos diplomacia e comércio
    Mantemos paz duradoura não obstante as vis intrigas de Etana.

    Todos ansiamos por esse dia e o templo de Inanna está cheio
    Ricos pastores trazem-lhe cordeiros e bezerros pra sacrifício
    É abundante a dádiva dos agricultores nas tulhas dos cereais
    E até os ricos negociantes também não têm sido nada avaros
    Nada faltando às sacerdotisas nem às virgens aprendizas d'A deusa
    Desde perfumes, iguarias e óleos cosméticos, pedrarias e ouros
    Pratas e cerveja e leite e flores e sedas e brocados e sedutores.

    À volta do templo pululam homens e mulheres nobres e generosos
    E a minha banca de escriba teve que empregar mais dois oficiais
    Um é meu familiar, porém o segundo é de uma família vizinha
    Muito esmerado e competente, avisado e de cunhagem perfeita
    Que ainda não quebrou nenhuma tabuinha de alabastro sequer
    Tal é o seu cuidado e subtileza na grafia dos caracteres e sinais
    Aplicação dos selos e manuseamento das cunhas e estiletes.

    Será a ele que confiarei a condução do touro sacrificado a Inanna
    Quando Gilmgamesh pois é mau presságio ser levado por parente
    Da família da dádiva com raparigas a serem iniciadas entre as virgens
    Pois quem conduz o touro pode possuí-las se A deusa quiser e ordenar
    Que a coragem e a força devem ser imaculadas como o sangue doado
    Se o touro for digno dos favores de Inanna nos ritos e hinos a Arina
    E obtiver a plena realização criativa das forças divinas e naturais.

    Digo-te isto porque tenho certeza d'A Deus nos concederá de futuro
    Outros vinte e cinco séculos como concedeu nos ledos já passados
    E tu sabes que assim continuarás a ser Senhora de mim e dos bens
    Que sendo meus apenas teus são a quem A deusa imita e me rendo
    E enleio e desmaio na ondulante sofreguidão da serpente de tua alma
    Esse olho de Aldebarã sobre as Plêiades e Híades aceso e sibilino...
    E isto te digo pra que o não esqueças nem nenhuma de nossas filhas!

    ResponderExcluir
  2. Como sempre, uma linda poesia, lindo sentir Fran!! Um ótimo sábado, ótimo final de semana prá ti!! Beijos ;)

    ResponderExcluir
  3. Oi querida! Obrigada pela parceria. Tb ja estou indo colocar o seu lá no Blog.

    Bjinhos.

    www.blogrevendedoronline.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Por mais que eu tenha ficado afastado, percebo que algumas coisas não mudam... Tais como o seu talento, você escreve bem demais menina, na verdade não escreve diz, que ao meu ver é diferente... Pq é verdadeiro.

    ResponderExcluir
  5. Hoje encontrei o seu cantinho, a sua poesia é lindíssima, vou acompanhar com muito prazer.
    Um bom fim de semana
    bjs
    Maria

    ResponderExcluir
  6. Assim que vi a atualização do seu blog na lateral do meu, vim correndo. E, claro, como sempre, fui presenteado. Quando eu crescer, quero ser poeta igual a vc.
    Bjinho.


    Obs: Fiquei com medo do primeiro comentário....kkkkk!

    ResponderExcluir
  7. "Só acho que o menos doloroso é ser inconstante"
    =D

    ResponderExcluir
  8. EXCELENTE!!! SEM COMENTÁRIOS!!!
    SEM PALAVRAS...
    PAABENS!!!

    ResponderExcluir
  9. Tem selo pra vc no meu blog principal... Não sei se já tens, mas enfim, reservei um pra vc. Bjs.

    ResponderExcluir
  10. Oioii Fran!
    seu blog é lindo, muito lindo seus pensamentos ein!
    to seguindo... (:
    segue tbm flor? ^^
    umbeijo :**

    ResponderExcluir
  11. Me identifiquei com o que escreveu e resolvi vir no seu blog por acaso mesmo. Quando você disse:"A paciência estava sendo medida" eu tive plena certeza que tinha que terminar de lê-lo. Exatamente o que acontece comigo, a todo tempo, a minha paciencia é medida... testada. Lindo blog, muito bem organizado! Abraço

    ResponderExcluir
  12. Vejo que continuas plenamente inspirada, são grande expressão e lirismo teus versos, uma trajetória de sentimentos marcantes na tua poesia.

    Um cordial abraço.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe aqui algumas palavras sobre o que compreendeu, a sua percepção do que leu...

Postagens mais visitadas deste blog

● Ponteiros tortos

Quantos sonhos loucos passaram por tua porta? Não viu as cores que tecem o céu, que mudou há tempos Perdemos a lucidez desde os anseios mais remotos Desde que a dúvida, calou qualquer tentativa torta
Me desnorteia respirar nesse véu de dias iguais Eu conversaria por horas dentro de mim mesma Com os mesmos traços e ainda os mesmos pedaços Embora sinto que meus anos correram demais
Voltaria para quem fui, correndo ao alento Retalhos do que bastou para amar, não seria para depois Basta de fugir do meu eu, sem contentamento! Eu e meus batimentos descompassados não somos dois 
Corremos na linha de qualquer outra perdição Entre a brandura e a loucura, sem ponteiros para seguir Na frente aos pés, aos poucos sinto a leve intuição Alguém mais despertou depois de tempos sem sentir?

Autoria: Franciéle R. Machado

• Avessos

Não sou eu há dias, ou horas Nem anteontem desde o sentido distorcido Que vaga beirando ao silêncio Linha tênue que embriaga
Não sou horizonte, nem estrada Pois parei em pontos distantes Além da lua e da noite E há dias permaneço assim intacta
E dentre tropeços, perdi os endereços Tenho casa só dentro de mim Para não dizer que sou perdida Nestas linhas vastas de insensatez
Não sei onde ficou o espelho Pois esta face não é minha Desde que me tornei ventania desfocada Que passeia sem qualquer adereço
Embora tenha no peito ideias sozinhas Que dos avessos perdem-se por aí Não sou eu, faz dias, um mês E quem sou? Linha do verso só por dizer?
Autoria: Franciéle Romero Machado

Amigos, desculpe a ausência do blog...Continuarei compartilhando cada verso com vocês!

Peito em estopim

Conversas do anoitecer
Só eu e você
Dentre olhares confortáveis

Reinvento, paisagens aleatórias de nós
O teu humor tão seguro de si
Um gosto de que algo entre nós 
Não pode fugir assim

Um salto no ar, pra quem quer tanto
Quando teus olhos me abraçam
Te percebo em cada canto
Da minha projeção mais impensável

Sei que não é pouco
Amar desperta a intenção
De embaralhar toda a nossa razão

Insano, como quem declara o que sente tão alto
E se o depois não houvesse?
Sorriria para ti, pois viveu um sonho em mim

Um tormento que me desatinou
Um suspiro em sua voz, ouço em meu interior
A vida que desabrochou de novo enfim

Quando nos reconstruímos
Mesmo quando parecera arrancar esse afeto por medo
Reviveu, peito em estopim

Pois decerto não era para ser o fim

Autoria: Fran Romero