Pular para o conteúdo principal

• Estáticos deslizes



Umas vozes circulam

Em cima de minha cabeça

Cansada e desesperada



Junto as ideias pulam

E me deixam com que as esqueça

Cada invenção precipitada



Permitindo-me de me sufocar

Deitada olhando as matizes

Que um dia já me reavivaram



Enfim vou me aconchegar

Nos estáticos deslizes

Das minhas ideias que se enfumaçaram



Tudo seria um elo no final

Em permanecer de olhos abertos

Ao barulho dessa quietude



Nessa condição habitual

Futuros distorcidos quase conserto

Mas essa não é minha virtude



Não...


---

Autoria: Franciéle R.Machado



_______________________________

Recado!



Obs: Leitores eu estarei viajando de férias por um mês a partir do dia 3, mas depois retornarei ao Blog, não estou o abandonando...



Que saudade sentirei daqui!

Volto só em fevereiro!


Não deixem de comentar pessoal =D

Beijos e Abraços.

Um Feliz ANO NOVO!

Comentários

  1. Belíssima poesia Franciéle, muito reflexiva. Fechou com chave de ouro o ano.
    Grande abraço, boas férias e feliz 2011!

    ResponderExcluir
  2. Linda mesmo :) como sempre flor suas poesias sempre nos deixam reflexivos. Tenha uma ótima virada de ano, e que 2011 continue te trazendo essas ótimas inspirações, e que seja um ano repleto de coisas boas pra sua vida. Bjss e Boa Noite!!

    ResponderExcluir
  3. Aproveitando o último dia de 2010 para conhecer novos blos, encontrei esse lindo espaço através do blog da Nicelle Almeida.
    Desejo um 2011 com um pouco mais de paciência para todos nós.

    Te aguardo no Sabor da Letra

    http://sabordaletra.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Franciele,que lindo sua poesia, como sempre!
    Obrigada por me corrigir no meu blog, hehe, já arrumei.

    ResponderExcluir
  5. Franciéle,
    É alma pura, é sentimento, é a vida, são mistérios do insondável coração humano, desaguando em palvras.
    Gostei. Desejo um feliz 2011.

    ResponderExcluir
  6. Belíssimo poema Franciéle, vc tem muito talento.
    Bom, vamos sentir saudades. Desejo tudo de bom em 2011 e que vc aproveite bem suas férias.

    Bjos,
    *Simone*

    ResponderExcluir
  7. Suas poesias são lindas e tocantes pq vemos que são vindas do coração e da alma realmente. Elas nos fazem refletir...

    Adorei, minha flor.
    Aproveite as férias!
    Estamos esperando a sua volta ;)

    Um beijão!!!!
    www.nicellealmeida.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Lindo poema,bom, amei o blog, espero que continue postando sempre e mantenha este habito, pois a poesia acalma a alma e alimenta o coração.

    ResponderExcluir
  9. ah Fran
    que bom tua visita
    tu que é tão poeta
    tão maravilhosa
    boa viagem

    ResponderExcluir
  10. po, me indentifiquei muitos com teus poemas, muito bacana mesmo

    ResponderExcluir
  11. Teu lirismo é coisa realmente rara, não me canso de comentar por muitas vezes e tornar a afirmar sobre a expressão incontida e inconstante de teus versos, confissão e transitoriedade de sentidos...é o que consigo perceber nessa maravilha de poesia.

    Um cordial abraço poetisa.

    ResponderExcluir
  12. Boa Tarde! um grande poeta amigo meu ( luiz ). me indicou este maravilho blog.

    tu escreves muito bem, neste poema tua lira tirou dos meus lábios um sorriso entreaberto ao ler a ultima estrofe.

    Me Admirei Poetisa!!!

    ResponderExcluir
  13. Amei teu poema, muito carregado de sensibilidade.
    Deixo-te o convite para que visite minha página, se gostar de poesia morta.
    Tô te seguindo.

    Um forte abraço! =)

    ResponderExcluir
  14. Fran, há algum tempo atrás você esteve no meu blog, elogiou, seguiu, eu prometi voltar para ver seu blog e seguí-lo, acabei por esquecer. Mas hoje estava revendo comentários de postagens e encontrei o seu lá, então vim cumprir com minha promessa. Estou te seguindo e gostei bastante do seu blog. Você escreve muito bem! Parabéns. Sucesso, beijos.

    ResponderExcluir
  15. se gostar me segui !

    http://hannaguimel.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  16. Belo post!

    Belo blog!!!

    Muito bom, parabéns... Voltarei aqui mais vezes...

    Convido vc a conhecer meu trabalho (música, poesia, teatro)...

    Ficaria feliz demais!!!

    http://mailsonfurtado.com

    ResponderExcluir
  17. Pessoal depois eu visito o blog de vocês e atualizo o blog! =D
    Já voltei de viagem!

    bjos.
    Boa Noite!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe aqui algumas palavras sobre o que compreendeu, a sua percepção do que leu...

Postagens mais visitadas deste blog

● Ponteiros tortos

Quantos sonhos loucos passaram por tua porta? Não viu as cores que tecem o céu, que mudou há tempos Perdemos a lucidez desde os anseios mais remotos Desde que a dúvida, calou qualquer tentativa torta
Me desnorteia respirar nesse véu de dias iguais Eu conversaria por horas dentro de mim mesma Com os mesmos traços e ainda os mesmos pedaços Embora sinto que meus anos correram demais
Voltaria para quem fui, correndo ao alento Retalhos do que bastou para amar, não seria para depois Basta de fugir do meu eu, sem contentamento! Eu e meus batimentos descompassados não somos dois 
Corremos na linha de qualquer outra perdição Entre a brandura e a loucura, sem ponteiros para seguir Na frente aos pés, aos poucos sinto a leve intuição Alguém mais despertou depois de tempos sem sentir?

Autoria: Franciéle R. Machado

• Avessos

Não sou eu há dias, ou horas Nem anteontem desde o sentido distorcido Que vaga beirando ao silêncio Linha tênue que embriaga
Não sou horizonte, nem estrada Pois parei em pontos distantes Além da lua e da noite E há dias permaneço assim intacta
E dentre tropeços, perdi os endereços Tenho casa só dentro de mim Para não dizer que sou perdida Nestas linhas vastas de insensatez
Não sei onde ficou o espelho Pois esta face não é minha Desde que me tornei ventania desfocada Que passeia sem qualquer adereço
Embora tenha no peito ideias sozinhas Que dos avessos perdem-se por aí Não sou eu, faz dias, um mês E quem sou? Linha do verso só por dizer?
Autoria: Franciéle Romero Machado

Amigos, desculpe a ausência do blog...Continuarei compartilhando cada verso com vocês!

Peito em estopim

Conversas do anoitecer
Só eu e você
Dentre olhares confortáveis

Reinvento, paisagens aleatórias de nós
O teu humor tão seguro de si
Um gosto de que algo entre nós 
Não pode fugir assim

Um salto no ar, pra quem quer tanto
Quando teus olhos me abraçam
Te percebo em cada canto
Da minha projeção mais impensável

Sei que não é pouco
Amar desperta a intenção
De embaralhar toda a nossa razão

Insano, como quem declara o que sente tão alto
E se o depois não houvesse?
Sorriria para ti, pois viveu um sonho em mim

Um tormento que me desatinou
Um suspiro em sua voz, ouço em meu interior
A vida que desabrochou de novo enfim

Quando nos reconstruímos
Mesmo quando parecera arrancar esse afeto por medo
Reviveu, peito em estopim

Pois decerto não era para ser o fim

Autoria: Fran Romero