Pular para o conteúdo principal

• Leve descansar



Inerte de fatos reconheço
Esse abstrato sem reais amores
Só a tempestade de paixões temporárias

Num verter de sorrisos, desconheço
Que um alguém me daria cores
Nessas horas nulas diárias

Meus olhos sorrateiros de tormento
De um drama puro e sem razão
Assim se esvai esse interior

Em mim próprios julgamentos
Do que faço em distração
Despenco na seda de estar sem amor

É um desacostume esse vazio se apoderando
Mas acho que enfim estou descansando

---

Autoria: Franciéle R.Machado

Imagem: Oprisco

Comentários

  1. Acho que este foi seu melhor poema... Gostei da sutileza que utilizou, sempre usas ótimas palavras.

    ResponderExcluir
  2. Que lindo *-* vc que escreveu?? *-*
    gostei :D
    se puder dar sua opinião no meu blog tbm...

    ResponderExcluir
  3. Adorei o poema. Com sutileza retratas o vazio de um coração, me parece, já cansado de tantas desilusões.
    Vou te seguir. Se puderes visite os meus blogs. Abraço!

    ResponderExcluir
  4. Fran... vc me impressiona com sua idade... apenas 16 anos, mas com idéias e sentimentos de gente adulta.. lindo o poema... sou muito curioso por seus escritos!!! continue assim bela! parabéns!!!

    ResponderExcluir
  5. Fran que linda vc! Adorei seus poemas, nossa estou impressionada, Parabéns pela sensibilidade, pelo blog, adoreei tudo pequena! Te seguindo! Bjs voltarei mais vezes..

    ResponderExcluir
  6. Lindos versos...
    Puro sentimento!

    A imagem ficou perfeita!

    ;D

    ResponderExcluir
  7. Como eu.

    estou seguindo
    http://boemianay.blogspot.com
    me siga e comente se puder

    sucesso.

    ResponderExcluir
  8. Bonito poema.
    Gostaria de ter esse talentos para versos.
    To te seguindo =)
    ______________
    http://assimounao.blogspot.com/
    Lê, comenta, segue, sei lá.
    Eu retribuo.

    ResponderExcluir
  9. Ja estou te seguindo tá


    http://paulstepola.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  10. Eu queria era saber como é que tu sabe de todas essas coisas aos dezesseis anos, guriazinha! Quem te ensinou? Parabéns pelo maravilhoso poema que li aqui, tenho certeza que um dia te lerei em livros de capa ilustrada comprados a preço de ouro em caríssimas livrarias francesas!

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  11. Coisa boa de se ver... Ei, tem selos pra vc no meu blog (Marvin Cross). Espero que ainda não os tenha. Bjs.

    ResponderExcluir
  12. Olá, minha flor!
    Vim retribuir sua visita ao meu blog e fiquei encantada com o seu espaço, cercado de lindos poemas. Percebo que tudo aqui é escrito de forma intensa e isto é belíssimo!!!

    Estou te seguindo e agora virei sempre te visitar!
    Me segue tb? Ficarei mto feliz.

    Beijos e até a próxima!
    Te espero em meu blog, tem post novo ;)

    www.nicellealmeida.blogspot.com

    ResponderExcluir
  13. A angústia por estar sozinho mas que é ressarcida pela sensação de alívio por estar enfim amando a si mesmo, descansando, vivendo uma vida que é voltada para o eu. Essa dualidade entre paixão temporária e amores eternos ainda vai dar muito o que falar e escrever nos mares agitados desses poetas que se encontram espalhados pelo mundo.
    Ah! Adoro esse teu jeito livre de escrever, em versos e estrofes livres, mas que guarda uma dedicação e formosura em cada palavra que imprimes aqui.
    Beijos,
    Caio.

    ResponderExcluir
  14. Oi, minha flor!

    Muito obrigada por ter retribuido a minha visita.
    Vc n tem do que agradecer, eu realmente amei as suas poesias =D

    Um super beijo e te espero lá no blog ;)
    www.nicellealmeida.blogspot.com

    ResponderExcluir
  15. poema daora mt legal parabens


    http://planetahuumor.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  16. Parabéns pelo poema, quem sabe um dia nao possa encontrar um livro seu nas livrarias? Sucesso

    ResponderExcluir
  17. Adoreii o poema .. muito lindoo me inspirou mais ainda ..pra lhe desejar um feliz natal,estou indo viajar mais nao esqueç doas amigos...tudo di bom pra vc e ate mais ...

    ResponderExcluir
  18. Menina, amei demais tua linha poética! São simplesmente lindos e profundos teus textos. Depois eu passo para ler mais; por enquanto, li apenas estas últimas postagens e acredite, são boas demais. Adorei! Tenha um maravilhoso Natal!

    ResponderExcluir
  19. to seguindo ; muiiiiiiito lindo seus poemas ! Você manda muito bem com as palavras. Sucesso *-*
    beeijos ;*

    ResponderExcluir
  20. Esta Linda poeta, com apenas 16 aninhos... Se nos desperta com um lirismo profundo, que se nos assusta com tão graciosa, suave e serena criação literária... É a poética despertando sentimentos finos e marcantes, ainda em uma idade tão jovem... Poeta/menina... Mas de um sentimento latente na qualidade de menina/mulher... Queixa-se a poeta que amor não há em sua vida, embora sinta falta de tê-lo aos braços seus... E entre cansaço de perseguir esta carência reclama por estar só... E desabafa-se em seus versos... 'será que alguém pintaria a sua vida de amores'?... Calma poetinha... Seu momento chegará!... Por certo!...

    http://evangelistasaj.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe aqui algumas palavras sobre o que compreendeu, a sua percepção do que leu...

Postagens mais visitadas deste blog

● Ponteiros tortos

Quantos sonhos loucos passaram por tua porta? Não viu as cores que tecem o céu, que mudou há tempos Perdemos a lucidez desde os anseios mais remotos Desde que a dúvida, calou qualquer tentativa torta
Me desnorteia respirar nesse véu de dias iguais Eu conversaria por horas dentro de mim mesma Com os mesmos traços e ainda os mesmos pedaços Embora sinto que meus anos correram demais
Voltaria para quem fui, correndo ao alento Retalhos do que bastou para amar, não seria para depois Basta de fugir do meu eu, sem contentamento! Eu e meus batimentos descompassados não somos dois 
Corremos na linha de qualquer outra perdição Entre a brandura e a loucura, sem ponteiros para seguir Na frente aos pés, aos poucos sinto a leve intuição Alguém mais despertou depois de tempos sem sentir?

Autoria: Franciéle R. Machado

• Avessos

Não sou eu há dias, ou horas Nem anteontem desde o sentido distorcido Que vaga beirando ao silêncio Linha tênue que embriaga
Não sou horizonte, nem estrada Pois parei em pontos distantes Além da lua e da noite E há dias permaneço assim intacta
E dentre tropeços, perdi os endereços Tenho casa só dentro de mim Para não dizer que sou perdida Nestas linhas vastas de insensatez
Não sei onde ficou o espelho Pois esta face não é minha Desde que me tornei ventania desfocada Que passeia sem qualquer adereço
Embora tenha no peito ideias sozinhas Que dos avessos perdem-se por aí Não sou eu, faz dias, um mês E quem sou? Linha do verso só por dizer?
Autoria: Franciéle Romero Machado

Amigos, desculpe a ausência do blog...Continuarei compartilhando cada verso com vocês!

Peito em estopim

Conversas do anoitecer
Só eu e você
Dentre olhares confortáveis

Reinvento, paisagens aleatórias de nós
O teu humor tão seguro de si
Um gosto de que algo entre nós 
Não pode fugir assim

Um salto no ar, pra quem quer tanto
Quando teus olhos me abraçam
Te percebo em cada canto
Da minha projeção mais impensável

Sei que não é pouco
Amar desperta a intenção
De embaralhar toda a nossa razão

Insano, como quem declara o que sente tão alto
E se o depois não houvesse?
Sorriria para ti, pois viveu um sonho em mim

Um tormento que me desatinou
Um suspiro em sua voz, ouço em meu interior
A vida que desabrochou de novo enfim

Quando nos reconstruímos
Mesmo quando parecera arrancar esse afeto por medo
Reviveu, peito em estopim

Pois decerto não era para ser o fim

Autoria: Fran Romero