Pular para o conteúdo principal

• O amor é virtuoso




Eu sempre sei sentir o amor
E o achar misterioso
Enquanto o observo sentada

Repentinamente sinto meu humor
Já mais sorridente e vistoso
Querendo sorrir precipitada

E será que só somos meio desconhecidos?
E essa pureza do amor inexiste
Igual ao engano interior

E com sentimentos resolvidos
Eu sei que esse amor não é palpite
A todos efêmeros afetos é superior

E agradeço ao Senhor!
Que me engrandeceste deste amor
De paz e afeto bondoso

Que cala o receio aterrador
E só inspira ao sonhador
A lutar e de amor ser glorioso

---

Autoria: Franciéle R.Machado

Comentários

  1. Retribuirei os comentários com conteúdo! =D
    Bjos!

    ResponderExcluir
  2. O amor é virtuoso, sim, mas também é efémero e, o seu término abrupto, pode criar feridas que jamais sararão.

    Bom fim-de-semana

    Runa

    ResponderExcluir
  3. Linda, achei este poema bastante simples, mas não menos talentoso. Aliás, a simplicidade dele é que o torna bonito, na minha opinião. O amor é um tema incansável e inesgotável. Sorte nossa, já que estamos sempre às voltas com inspirações q brotam deste sentimento tão nobre.
    Que o amor continue seja nossa fonte riquíssima!
    E continue atualizando o blog, Fran. Ficarei sempre passando por aqui.

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. De forma plena e circunstâncional, interessante a expressão de fases em teus poemas, neste observa-se a sensação do sentir, a dúvida e a certeza da busca, fantástico o desenvolvimento do poema, estás mais uma vez como tantas outras surpreendendo poetisa, grande gosto de mais uma vez estar em teu espaço.

    Um cordial abraço.

    ResponderExcluir
  6. Que bonito amiga, sua poesia é rica. Parabéns!!!
    Bjos,
    *Simone*

    ResponderExcluir
  7. Olá Fran, td bem ?
    Já estava com saudades e resolvi vir aqui visita-la, não sou mto de comentar em nenhum blog da internet, e quem ganha comentário meu tbm n tem como se sentir previlegiada, pois pouco valem meus comentários, mas é sempre bom para que a saudade diminua de tamanho.
    Sempre torcendo por vc estarei eu e o Mundo Leitor inteiro.
    Adorei sua postagem assim como adoro todas as outras.

    Bruno Cassiano.

    ResponderExcluir
  8. Muito bom fran! Nossa esse modo simples me conquista mais do que palavras complicadas de entender... Meus sinceros parabéns!

    ResponderExcluir
  9. Quando surge o amor tudo se transforma, ganha novos ares...
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  10. maravilhoso, vc é muito talentosa!
    to seguindo
    www.claudiaalvesinteriores.blogspot.com

    ResponderExcluir
  11. Oii Fraan :)

    Cada poema seu me deixa embreagada pelos meus sonhos. Como se o que sentisse,voce soubesse,e transformara em poemas.

    Parabéns,esse em especial me tocou muiiiito *-*

    ResponderExcluir
  12. Adorei seu poema :}
    o amor é sempre uma luta, uma busca.

    Você é gaúcha como eu :D

    Se quiser conhecer :)
    http://limao-e-mel.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  13. A Internet está muito ruim aqui, ela volta um pouco e cai e fica sem todo dia, quando possível atualizo o Blog :)

    ResponderExcluir
  14. Nossa Fran! Amei o teu blog e tô ficando por aqui...Tô seguindo!

    Te convido pra visitar meu cafofo!
    http://guerradosmundosleka.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  15. Fran, Fran. Belíssima interpretação do amor, essa coisa que a gente sente, que se faz presente no nosso dia-a-dia mas que é abstrato e por isso meio distante de ser caracterizado. Adorei esse engrandecimento que deste à esse sentimento tão maravilhoso.
    Beijos,
    Caio.

    ResponderExcluir
  16. MEGA SORTEIO CDM!!! 9 ANOS, 9 KITS DE PRESENTES!!!Venha participar conosco!!
    bjs May, Coisas de meninas
    http://coisasdemeninas.com

    ResponderExcluir
  17. Esse é um dos meus poemas favoritos...É um dos poucos digamos "Alegres"....

    O amor nos fazendo sorrir em meio a dúvidas se irá depois nos ferir...Mas sonhando sempre se vai em frente.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe aqui algumas palavras sobre o que compreendeu, a sua percepção do que leu...

Postagens mais visitadas deste blog

● Ponteiros tortos

Quantos sonhos loucos passaram por tua porta? Não viu as cores que tecem o céu, que mudou há tempos Perdemos a lucidez desde os anseios mais remotos Desde que a dúvida, calou qualquer tentativa torta
Me desnorteia respirar nesse véu de dias iguais Eu conversaria por horas dentro de mim mesma Com os mesmos traços e ainda os mesmos pedaços Embora sinto que meus anos correram demais
Voltaria para quem fui, correndo ao alento Retalhos do que bastou para amar, não seria para depois Basta de fugir do meu eu, sem contentamento! Eu e meus batimentos descompassados não somos dois 
Corremos na linha de qualquer outra perdição Entre a brandura e a loucura, sem ponteiros para seguir Na frente aos pés, aos poucos sinto a leve intuição Alguém mais despertou depois de tempos sem sentir?

Autoria: Franciéle R. Machado

• Avessos

Não sou eu há dias, ou horas Nem anteontem desde o sentido distorcido Que vaga beirando ao silêncio Linha tênue que embriaga
Não sou horizonte, nem estrada Pois parei em pontos distantes Além da lua e da noite E há dias permaneço assim intacta
E dentre tropeços, perdi os endereços Tenho casa só dentro de mim Para não dizer que sou perdida Nestas linhas vastas de insensatez
Não sei onde ficou o espelho Pois esta face não é minha Desde que me tornei ventania desfocada Que passeia sem qualquer adereço
Embora tenha no peito ideias sozinhas Que dos avessos perdem-se por aí Não sou eu, faz dias, um mês E quem sou? Linha do verso só por dizer?
Autoria: Franciéle Romero Machado

Amigos, desculpe a ausência do blog...Continuarei compartilhando cada verso com vocês!

Peito em estopim

Conversas do anoitecer
Só eu e você
Dentre olhares confortáveis

Reinvento, paisagens aleatórias de nós
O teu humor tão seguro de si
Um gosto de que algo entre nós 
Não pode fugir assim

Um salto no ar, pra quem quer tanto
Quando teus olhos me abraçam
Te percebo em cada canto
Da minha projeção mais impensável

Sei que não é pouco
Amar desperta a intenção
De embaralhar toda a nossa razão

Insano, como quem declara o que sente tão alto
E se o depois não houvesse?
Sorriria para ti, pois viveu um sonho em mim

Um tormento que me desatinou
Um suspiro em sua voz, ouço em meu interior
A vida que desabrochou de novo enfim

Quando nos reconstruímos
Mesmo quando parecera arrancar esse afeto por medo
Reviveu, peito em estopim

Pois decerto não era para ser o fim

Autoria: Fran Romero