Pular para o conteúdo principal

• Coisa Saudosa/Canção Breves Certezas




Com o ruído da televisão
Eu projeto a minha distração
Carente por alguma compreensão
Assustei a todos querendo atenção

O vento que sopra saudade
A fumaça mais doce e pálida
Não é que sorrir seja fraude
Mas há alguma coisa cálida

Deu palpites meu destino louco
Consigo o que sonho aos poucos
Falo e que fique ao eco
Pois se torno a reclamar peco

E pude sentir a maldade
Nesse sol de toda realidade
Nessas oscilações penosas
Saudade de algo tenho, existe
Uma coisa saudosa

Sobre os ruídos da conversa
Da canção, da respiração
Do que é coisa inversa
Desse silêncio e do agito da palpitação

---

Autoria: Franciéle R.Machado


__________________________________________

Música " Breves Certezas"


Venho com novidades, agora estou no mundo musical também e estou com

alguns vídeos no youtube...e há um em especial que é de uma canção

criada por mim "Breves Certezas" que foi tocado no Cine Rock Itaqui. A Música e a Poesia juntas!

Obs: No início o microfone está baixo, mas depois melhora...



Breves Certezas
Letra, melodia e arranjo: Franciéle Machado
Solo e finalização: Juliano Cabral

A vida passa
E o comum já não tem graça
Não quero nada mais
E a gente faz pirraça
Achando que assim se acha a paz, a paz
Que depressa se desfaz em um choque de realidade

Perdi à tarde na solidão e ainda assim
Não gosto da multidão

E eu quero o silêncio das minhas ideias
E não chorar misérias por causa dos temporais passados
Então eu sinto o impacto de qualquer verdade
Isso é um confronto em pleno final de tarde

Eu acho que eu sou a solidão
Mais bonita
Eu acho, eu acho (2X)

(Solo)

Eu acho que eu sou a solidão
Mais bonita
Eu acho, eu acho (3X)


Espero que gostem ^^

Comentários

  1. Sou seu fã ^^ Beijos linda, me inspirou!!!

    ResponderExcluir
  2. Olá, Franciéle!

    Como sempre, você nos surpreende com os seus belos poemas! E... "Coisa Saudosa" não foge à regra! Parabéns!
    Filosoficamente falando, eles sempre nos redirecionam para a oscilação natural do ser humano, o biorritmo da nossa alma que nos sacode fisicamente, para o... "crescei e multiplicai-vos" no presente, segundo os parâmetros dos seus passados, das suas raízes, origens e/ou momentos agregados.
    Daí, é que se dá a minha admiração pelo que você escreve e, se já não bastasse a sua capacidade de rimar, noto que à cada obra sua, faz uso do seu alto grau sensorial atemporal, para nos lembrar que: os patamares da escada da nossa vida, esse patamar presente, foi o nosso sonho(s) anterior(res) conseguido segundo a nossa realidade atual e a paz, tão desejada por nós, é a certeza de que estamos fazendo o nosso melhor, na paciente procura em transformar satisfatoriamente aqueles nossos sonhos numa realidade futura nos outros patamares que virão!

    A letra de "Breves certezas" tem tudo haver com o que falei acima e eu já tinha vaticinado que a banda Rosa Parks, tendo você como letrista das músicas, já por esse pormenor, era sucesso garantido, mas, não será só por isso, tenho a absoluta certeza disso! Bravos!!!!

    Não sei o que houve aqui, mas, nos vídeos do youtube eu escutei esse áudio com melhor qualidade e me parece, que o som dos instrumentos estão suplantando o vocal, eu acho!

    Um abraço!!!!!

    ResponderExcluir
  3. Que bacana Franciele... LEgal mesmo o som de vocês... e a letra muito boa também!

    ResponderExcluir
  4. Olá amiga, adorei o poema, lindo demais.
    E sobre a novidade da música, tô sabendo e fico feliz por você. Desejo sucesso sempre!
    Bjinhoss XD

    ResponderExcluir
  5. Muito bom, você é uma artista completa, invista em uma carreira musical ou literária, é jovem, tem uma estrada bela pela frente.
    Grande abraço e sucesso!

    ResponderExcluir
  6. Olá, querida

    " Das alturas orvalhem os céus,
    E as nuvens que chovam justiça,
    Que a terra se abra ao amor
    E germine o Deus Salvador"...

    Fico tão sem palavra para agradecer o carinho imensurável com que me cumula ao longo do ano que só posso lhe dizer que te amo fraternalmente...
    Seja muito abençoada e feliz, amiga!!!
    Bjm de paz e FELIZ NATAL... apesar de qualquer vestígio de dor em seu coraçãozinho....

    "Quando eu estiver contigo no fim do dia, poderás ver as minhas cicatrizes,

    e então saberás que eu me feri e também me curei."

    Tagore

    ResponderExcluir
  7. Olá, parabéns pelo seu blog.
    Te convido a conhecer o meu,
    http://carmasepalavras.blogspot.com/

    ;)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe aqui algumas palavras sobre o que compreendeu, a sua percepção do que leu...

Postagens mais visitadas deste blog

● Ponteiros tortos

Quantos sonhos loucos passaram por tua porta? Não viu as cores que tecem o céu, que mudou há tempos Perdemos a lucidez desde os anseios mais remotos Desde que a dúvida, calou qualquer tentativa torta
Me desnorteia respirar nesse véu de dias iguais Eu conversaria por horas dentro de mim mesma Com os mesmos traços e ainda os mesmos pedaços Embora sinto que meus anos correram demais
Voltaria para quem fui, correndo ao alento Retalhos do que bastou para amar, não seria para depois Basta de fugir do meu eu, sem contentamento! Eu e meus batimentos descompassados não somos dois 
Corremos na linha de qualquer outra perdição Entre a brandura e a loucura, sem ponteiros para seguir Na frente aos pés, aos poucos sinto a leve intuição Alguém mais despertou depois de tempos sem sentir?

Autoria: Franciéle R. Machado

• Avessos

Não sou eu há dias, ou horas Nem anteontem desde o sentido distorcido Que vaga beirando ao silêncio Linha tênue que embriaga
Não sou horizonte, nem estrada Pois parei em pontos distantes Além da lua e da noite E há dias permaneço assim intacta
E dentre tropeços, perdi os endereços Tenho casa só dentro de mim Para não dizer que sou perdida Nestas linhas vastas de insensatez
Não sei onde ficou o espelho Pois esta face não é minha Desde que me tornei ventania desfocada Que passeia sem qualquer adereço
Embora tenha no peito ideias sozinhas Que dos avessos perdem-se por aí Não sou eu, faz dias, um mês E quem sou? Linha do verso só por dizer?
Autoria: Franciéle Romero Machado

Amigos, desculpe a ausência do blog...Continuarei compartilhando cada verso com vocês!

Peito em estopim

Conversas do anoitecer
Só eu e você
Dentre olhares confortáveis

Reinvento, paisagens aleatórias de nós
O teu humor tão seguro de si
Um gosto de que algo entre nós 
Não pode fugir assim

Um salto no ar, pra quem quer tanto
Quando teus olhos me abraçam
Te percebo em cada canto
Da minha projeção mais impensável

Sei que não é pouco
Amar desperta a intenção
De embaralhar toda a nossa razão

Insano, como quem declara o que sente tão alto
E se o depois não houvesse?
Sorriria para ti, pois viveu um sonho em mim

Um tormento que me desatinou
Um suspiro em sua voz, ouço em meu interior
A vida que desabrochou de novo enfim

Quando nos reconstruímos
Mesmo quando parecera arrancar esse afeto por medo
Reviveu, peito em estopim

Pois decerto não era para ser o fim

Autoria: Fran Romero