Pular para o conteúdo principal

• Abismo sutil




Para onde iriam os enredos antigos?
Caindo junto com a geada
Que cobre os sorrisos calorosos

Será que as vidas são castigos?
De quem atravessa a madrugada
E olvidando planos pretenciosos

Por hoje deveria adormecer
Ainda mais do que foi outra vez
Pois não já mais o que indagar

Antigos e breves enredos acabei
O profundo suspiro quer se achar
E hoje, as coisas vão se desvendar

Essas coisas que abandonei
Enfrentar um sutil abismo sem lei


---Fran. Machado

Comentários

  1. Olá, Franciéle Romero Machado!!!!

    Sempre embarcamos em uma máquina do tempo quando nos debruçamo-nos e movimentamos-nos lendo as obras de um poeta dos bons, como é o exemplo da Franciéle!!!!

    Parabéns, pela beleza de poema e pelo seu dom em versejar com mestria e desenvoltura!!! É muito talento, levando-nos à meditação, numa série de viagens no tempo nessa nave lírica alimentada pela força dos seus versos, frutos concretos de seus pensamentos!!!!

    Um abraço!!!!!

    ResponderExcluir
  2. OI FRAN!
    TE ACHEI DE NOVO AMIGA GAÚCHA.
    EM NOSSAS VIDAS MUITAS COISAS ENFRENTAMOS, MAS, ALGUMAS VAMOS DEIXANDO PELO CAMINHO, INACABADAS, ATÉ ESQUECIDAS, MAS, ÁS IMPORTANTES QUANDO MENOS SE ESPERA NOS ENFRENTAM E TEMOS QUE TOMAR ATITUDES QUE DEIXAMOS DE TOMAR ANTES, ENTÃO, O BOM, É NÃO DEIXAR NADA PARA DEPOIS.
    TEU TEXTO É BEM INSTIGANTE.
    ABRÇS
    zilanicelia.blogspot.com.br/
    Click AQUI

    ResponderExcluir
  3. Muito lindo minha amiga!
    Forte teus versos e nos faz parar para refletir.

    Beijos no ♥

    ResponderExcluir
  4. Fran (:

    Tempo, nada mais que tempo. Um tempo de meditar, esperar, e se concentrar. Continua com a leveza de uma pluma, e a força de um leão em Fran. Perfeito este poema.

    *-*

    ResponderExcluir
  5. .



    Talvez você não concorde com a minha
    maneira de convidar as pessoas, mas
    como eu escrevo no Blog do Bar do Es-
    critor todos os dias 23 de cada mês,
    achei que deveria vir até você para
    falar da tristeza que ela sentiu quando
    todos que a tiveram por amor deixaram
    de olhar pra ela com os olhos da paixão.

    Dá uma chegadinha lá pra conferir,
    vai!

    http://bardoescritor.blogspot.com

    Beijos,

    silvioafonso






    .

    ResponderExcluir
  6. Convite
    Passei por aqui, para lê o seu blogue.
    Admirável. Harmonioso. Eu também estou montando um. Não tem as Cores e as Nuances do Vosso. Mas, confesso que é uma página, assim, meia que eclética. Hum... bem simples, quase Simplória. E outra vez lhe afirmo. Uma página autentica e independente. Estou lhe convidando a Visitar-me, e se possível Seguirmos juntos por Eles. Certamente estarei lá esperando por você, com o meu chapeuzinho em mãos ou na cabeça.
    Insisto que vá Visitar-me, afinal, o que vale na Vida, são os elos de Amizade.

    Deixe no comentário, o endereço do seu blogue, para facilitar, a retribuição em Segui-lo.

    ResponderExcluir
  7. Muito bom, Fran!
    A capacidade de sempre em expressar sentimentos regados a muita emoção.
    Grande abraço e sucesso!

    ResponderExcluir
  8. Muuito bom!
    Bom, vim avisar que o theme do meu blog foi mudado, pelo Rick (http://semguarda-chuvas.blogspot.com.br/) ficou lindo, gostaria que você visse e comentasse nos novos textos!
    Tenha uma ótima quinta e um feriado abençoado. *-*
    http://maybe-i-smiled.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  9. Fran, dê um jeito de publicar um livro, menina!! Sua poesia merece ser conhecida.

    ResponderExcluir
  10. Um blog simples e meigo. Adorei as palavras, selecionadas e bem colocadas...

    Que bom que gostou do meu blog porque a reciproca é verdadeira. Seguindo-te também.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  11. Olá , passei pela net encontrei o seu blog e o achei muito bom, li algumas coisas folhe-ei algumas postagens, gostei do que li e desde já quero dar-lhe os parabéns, e espero que continue se esforçando para sempre fazer o seu melhor, quando encontro bons blogs sempre fico mais um pouco meu nome é: António Batalha. Como sou um homem de Deus deixo-lhe a minha bênção. E que haja muita felicidade e saude em sua vida e em toda a sua casa.
    PS. Se desejar seguir o meu humilde blog,Peregrino E Servo, fique á vontade, eu vou retribuir.

    ResponderExcluir
  12. De folhas de Outono se coroa uma tonta
    Lancei pedras sobre as ondas furiosas
    Teimosamente arde neste peito uma raiva
    E vi muito lixo num covil de raposas

    As coisas que um poeta vê
    As coisas que que invadem uma alma demente
    Num silencio contaminador, estonteante
    Ouvi palavras de amargo presente

    Cheguei finalmente a uma certa praia
    Fiquei encoberto por uma mancha de gaivotas
    Na impressionante fachada da minha alma
    Fecham-se com estrondo todas as portas


    Doce beijo

    ResponderExcluir
  13. Consigo sempre ver a beleza de suas obras, aliás sou um daqueles que sempre torcem pelo seu sucesso, bem no fundo sei que um dia você terá reconhecimento por este maravilhoso dom que você possui, escrever não é fácil, ambos sabemos disso, mas você consegui fazer com que pareça, pois seu poemas e poesias são lindo, não só por serem escritos com um vocabulário diverso, ou por sua inspiração, mas sim porque alguns deles trazem uma história, outros trazem um sentimento, e fico muito feliz por ao menos uma vez ter sido seu muso inspirador, lhe desejo felicidade e sucesso!!!
    Beijos do seu fã N°1

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe aqui algumas palavras sobre o que compreendeu, a sua percepção do que leu...

Postagens mais visitadas deste blog

● Ponteiros tortos

Quantos sonhos loucos passaram por tua porta? Não viu as cores que tecem o céu, que mudou há tempos Perdemos a lucidez desde os anseios mais remotos Desde que a dúvida, calou qualquer tentativa torta
Me desnorteia respirar nesse véu de dias iguais Eu conversaria por horas dentro de mim mesma Com os mesmos traços e ainda os mesmos pedaços Embora sinto que meus anos correram demais
Voltaria para quem fui, correndo ao alento Retalhos do que bastou para amar, não seria para depois Basta de fugir do meu eu, sem contentamento! Eu e meus batimentos descompassados não somos dois 
Corremos na linha de qualquer outra perdição Entre a brandura e a loucura, sem ponteiros para seguir Na frente aos pés, aos poucos sinto a leve intuição Alguém mais despertou depois de tempos sem sentir?

Autoria: Franciéle R. Machado

• Avessos

Não sou eu há dias, ou horas Nem anteontem desde o sentido distorcido Que vaga beirando ao silêncio Linha tênue que embriaga
Não sou horizonte, nem estrada Pois parei em pontos distantes Além da lua e da noite E há dias permaneço assim intacta
E dentre tropeços, perdi os endereços Tenho casa só dentro de mim Para não dizer que sou perdida Nestas linhas vastas de insensatez
Não sei onde ficou o espelho Pois esta face não é minha Desde que me tornei ventania desfocada Que passeia sem qualquer adereço
Embora tenha no peito ideias sozinhas Que dos avessos perdem-se por aí Não sou eu, faz dias, um mês E quem sou? Linha do verso só por dizer?
Autoria: Franciéle Romero Machado

Amigos, desculpe a ausência do blog...Continuarei compartilhando cada verso com vocês!

Peito em estopim

Conversas do anoitecer
Só eu e você
Dentre olhares confortáveis

Reinvento, paisagens aleatórias de nós
O teu humor tão seguro de si
Um gosto de que algo entre nós 
Não pode fugir assim

Um salto no ar, pra quem quer tanto
Quando teus olhos me abraçam
Te percebo em cada canto
Da minha projeção mais impensável

Sei que não é pouco
Amar desperta a intenção
De embaralhar toda a nossa razão

Insano, como quem declara o que sente tão alto
E se o depois não houvesse?
Sorriria para ti, pois viveu um sonho em mim

Um tormento que me desatinou
Um suspiro em sua voz, ouço em meu interior
A vida que desabrochou de novo enfim

Quando nos reconstruímos
Mesmo quando parecera arrancar esse afeto por medo
Reviveu, peito em estopim

Pois decerto não era para ser o fim

Autoria: Fran Romero