7 de agosto de 2012

• Esses caminhos da candura

Aqui tão perto te ter me faz
Ter o receio que jamais senti transparecer
Só parece outro sonho de quem não tem pés no chão
Segue os caminhos da candura enquanto toca tua mão

Essa melodia se espalhando por esse anoitecer
Te senti tão perto de sufocar minha maledicências
A dizer coisas e em seu olhar querer
A liberdade em compartilhar nossas vivências

Propor do amor jamais se esconder
Mesmo que o incerto, o tempo incerto o depois não prever


--- Fran.Machado

10 comentários:

  1. Sensibilidade pura. Adorei!
    Bjinhos amiga XD

    ResponderExcluir
  2. Sabe, é muito bom, saber que alguém, "voce" têm essa leveza, capaz de transformar encontros e desencontros do amor, uma suave e serena melodia.

    Amei, boa tarde Fran (:

    ResponderExcluir
  3. Franciéle minha amiga, obrigada pelos comentários, eu gostei muito. Fico feliz que goste do que eu escrevo. Ando meio sem inspiração. Mas logo vai passar rs

    Beijos no ♥

    ResponderExcluir
  4. Ainnn...Lindo! Fran, como sempre mantendo a doçura nas suas poesias :) Vc utiliza palavras únicas ♥

    ResponderExcluir
  5. Olá Fran!
    Rimas escritas com maestria, belíssima obra, com seu toque criativo!
    Grande abraço, sucesso e grato pela visita!

    ResponderExcluir
  6. Com pouca idade tem um dom maravilhoso.
    Sensibilidade pura menininha, parabéns.
    Passando pra lhe conhecer e fiquei encantada com a poesia e imagem das margaridas... Meu blog tem muitas margaridas, venha sentir o cheiro delas e aproveite para ler meu post SER FELIZ...
    Tenha um lindo final de semana.彡✿✿⊱╮彡✿✿⊱╮彡✿✿⊱╮
    彡✿✿⊱╮彡✿✿⊱╮彡✿✿⊱╮beijinhos彡✿✿⊱╮彡✿✿⊱╮彡✿✿⊱╮
    Lucinha

    ResponderExcluir
  7. Love reading your beautiful poems and love your blog. So glad to be following. Great if you would follow back, thanks :) xoxo

    ResponderExcluir
  8. Tão triste nasceu hoje o Verão
    Tão agreste sopra este colérico vento
    Tão molhada está esta verde terra
    Tão cinza está um coração em desalento

    Mentem os que disserem que perdi a Lua
    Os que profetizaram o meu futuro de luz
    Mentem os que acharam que não me visto de sentimento
    Os que acham que apenas a mentira seduz

    Acolhi no olhar todas as coléricas vagas que alcancei
    Abracei uma roseira e senti o golpe dos espinhos
    Senti o aroma errante das hortênsias
    Numa viagem por sete caminh

    Bom fim de semana

    Doce beijo

    ResponderExcluir

Deixe aqui algumas palavras sobre o que compreendeu, a sua percepção do que leu...