Pular para o conteúdo principal

• Incontido vício




Enquanto meu vício incontido exalava no corredor
Que eu dizia coisas supérfluas do amor
Como se eu nem reconhecesse esse sorriso amarelado
O meu sorriso carente e já espantado


Visto que piscar os olhos lentamente e olhar as bordas
Do canto da risada que fragmentou minha face
Não admito ver o amor me puxando como cordas
Mas para que haveria tal disfarce?


Penso, pois que nem gosto de gritar livremente de vez
Gosto de propor um pouco de talvez
Esse meu vício incontido de mal dizer o amor e cair
O que esconder se eu sei que meu amado vai vir


---Fran.Machado


Comentários

  1. O amor é tão bom quanto complicado, é uma dura tarefa prazerosa para realizar. [sorrio]
    Fran, a propósito, por acaso, gosta de literatura amadora? >>> O http://jefhcardoso.blogspot.com anseia por seu comentário. Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Olá, Franciéle!!!!

    Ou vício bom que... vicia, hein????

    E viva os loucos que vivenciam o amor, esse vício do qual nem o Pai Eterno escapou!!!! KKKKKKKKKK!!!!!!

    Um abraço!!!!!

    ResponderExcluir
  3. Belíssimo, Fran!
    Que versos, que melodia, sensibilidade pura, linda obra, uma de suas melhores!
    Grande abraço, sucesso e grato pela visita!

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Fran que sensibilidade, adoro poesia.Grande abraço.

    ResponderExcluir
  6. Que a gente se divirta sem se matar, que ame sem se contaminar, que aprenda sem se enganar, que viva sem se vender.
    Boa sexta!
    Bjinhos
    http://laialisafa.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Um texto cheio de palavras bonitas, cheio de rqueza. Um texto cheio de você Fran, adorei, sou seu fã, você pediu aqui estou eu. volte quando quiser, por que meu mundo não é só meu, é seu também, é nosso.
    E antes que eu me esqueça...
    Vicío mesmo é ler você.

    Beijos te adoro,
    Com carinho,
    Bruno Cassiano ML

    ResponderExcluir
  8. Olá, querida Fran
    Passo, com calma, bem antes da data, para desejar-lhe, com carinho fraterno, que vc tenha Boas Festas neste fim de ano!!!
    "A felicidade é com a gota de orvalho numa pétala de flor, brilha tranquila, depois que leve oscila e cai como a lágrima de amor".
    Que vc seja muito abençoada e feliz!!!
    Abraços fraternos de Boas Festas

    ResponderExcluir
  9. Fran lindissimo poema. Hoje passo especialmente para desejar um Natal muito Feliz.
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
  10. Olá, Franciele!!!!

    Estou passando para desejar um Feliz Natal e um Bom Ano de 2013, cheio de boas energias para serem usadas em todos os dias, com saúde, paz e fácil inspiração!!!! Sucessos!!!!

    Um abraço!!!!!

    ResponderExcluir
  11. Sinto as vezes como se fosse você que estivesse lendo estes lindos poemas em meu pensamento, quisera você sentir esta doce sensação, consigo perceber como são suaves seus versos, digo que realmente você consegue prender minha atenção, aguardo novas postagens. Bjs

    ResponderExcluir
  12. Seu blog é óptimo,gostei dou-lhe meus parabéns.
    Com votos de grandes vitórias.
    PS. Se desejar fazer parte dos meus amigos virtuais, faça-o de forma a que possa encontrar seu blog para segui-lo também.
    Sou António Batalha.

    ResponderExcluir
  13. oi linda participa do meu blog lindo seu blog. http://mundodavanessamakeup.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  14. Poesia
    .
    .
    Cada instante da poesia
    é uma nova viagem,
    mesmo que o assunto
    seja o mesmo de sempre...
    .
    .
    Francis Perot

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe aqui algumas palavras sobre o que compreendeu, a sua percepção do que leu...

Postagens mais visitadas deste blog

● Ponteiros tortos

Quantos sonhos loucos passaram por tua porta? Não viu as cores que tecem o céu, que mudou há tempos Perdemos a lucidez desde os anseios mais remotos Desde que a dúvida, calou qualquer tentativa torta
Me desnorteia respirar nesse véu de dias iguais Eu conversaria por horas dentro de mim mesma Com os mesmos traços e ainda os mesmos pedaços Embora sinto que meus anos correram demais
Voltaria para quem fui, correndo ao alento Retalhos do que bastou para amar, não seria para depois Basta de fugir do meu eu, sem contentamento! Eu e meus batimentos descompassados não somos dois 
Corremos na linha de qualquer outra perdição Entre a brandura e a loucura, sem ponteiros para seguir Na frente aos pés, aos poucos sinto a leve intuição Alguém mais despertou depois de tempos sem sentir?

Autoria: Franciéle R. Machado

• Avessos

Não sou eu há dias, ou horas Nem anteontem desde o sentido distorcido Que vaga beirando ao silêncio Linha tênue que embriaga
Não sou horizonte, nem estrada Pois parei em pontos distantes Além da lua e da noite E há dias permaneço assim intacta
E dentre tropeços, perdi os endereços Tenho casa só dentro de mim Para não dizer que sou perdida Nestas linhas vastas de insensatez
Não sei onde ficou o espelho Pois esta face não é minha Desde que me tornei ventania desfocada Que passeia sem qualquer adereço
Embora tenha no peito ideias sozinhas Que dos avessos perdem-se por aí Não sou eu, faz dias, um mês E quem sou? Linha do verso só por dizer?
Autoria: Franciéle Romero Machado

Amigos, desculpe a ausência do blog...Continuarei compartilhando cada verso com vocês!

Peito em estopim

Conversas do anoitecer
Só eu e você
Dentre olhares confortáveis

Reinvento, paisagens aleatórias de nós
O teu humor tão seguro de si
Um gosto de que algo entre nós 
Não pode fugir assim

Um salto no ar, pra quem quer tanto
Quando teus olhos me abraçam
Te percebo em cada canto
Da minha projeção mais impensável

Sei que não é pouco
Amar desperta a intenção
De embaralhar toda a nossa razão

Insano, como quem declara o que sente tão alto
E se o depois não houvesse?
Sorriria para ti, pois viveu um sonho em mim

Um tormento que me desatinou
Um suspiro em sua voz, ouço em meu interior
A vida que desabrochou de novo enfim

Quando nos reconstruímos
Mesmo quando parecera arrancar esse afeto por medo
Reviveu, peito em estopim

Pois decerto não era para ser o fim

Autoria: Fran Romero