Pular para o conteúdo principal

• Rasuras de mim

Quebra-se este espelho!
Este que costuma refletir 
[rasuras de mim...]
Em seus miúdos pedaços

Pois virei temperamental demais
E assim neste avesso permaneço
Em linhas tortas
Da caligrafia escrita depressa, sem precisão

Quebra-se este reflexo
Não quero me deparar com a alma
Que se envolve por abraço
E escreve loucuras [plena madrugada]

Essas rasuras mal escritas
Por aí refletem
O único resquício de lucidez
Que sobrou em mim

Autoria: Fran. Romero Machado
Imagem: ©2012-2014  Joana Sorino

Comentários

  1. Por onde seu corpo físico passa deixa rastro na terra, rastro físico que se apaga com o tempo, e rastro ideológico sentimental... a poesia é o rastro ideológico sentimental ao meu ver! Quem tem esse Dom, apreço pelo Dom, ou quem somente lê poesia por curiosidade é um ser muito abençoado! enfim... a poesia não tem explicação, seja qual for a forma que ela for dita ou expressa, nunca terá explicação! Como os nossos sentimentos são palavras tão simples de se escrever no Português Brasileiro, mas tão difíceis de serem expressadas pelos tantos que tentam fazer poemas de poetas que se julgam verdadeiros?... Sua poesia me transmite paz, e me faz sentir mais de um sentimento ao mesmo tempo... Parabéns!!! :)

    ResponderExcluir
  2. Suas poesias são lindas. Fran!
    Elas me deixam reflexivo, me faz olhar para o meu interior sempre, pois deixam uma lição, algo a procurarmos em nós mesmos, ou algo que não resolvemos de uma forma definitiva e que precisamos dar um sentido, um rumo!
    Grande abraço, sucesso, ótimo final de semana e grato pela visita!

    ResponderExcluir
  3. Escrita elegante, Franciele. Imagens legais. Abraços.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe aqui algumas palavras sobre o que compreendeu, a sua percepção do que leu...

Postagens mais visitadas deste blog

● Ponteiros tortos

Quantos sonhos loucos passaram por tua porta? Não viu as cores que tecem o céu, que mudou há tempos Perdemos a lucidez desde os anseios mais remotos Desde que a dúvida, calou qualquer tentativa torta
Me desnorteia respirar nesse véu de dias iguais Eu conversaria por horas dentro de mim mesma Com os mesmos traços e ainda os mesmos pedaços Embora sinto que meus anos correram demais
Voltaria para quem fui, correndo ao alento Retalhos do que bastou para amar, não seria para depois Basta de fugir do meu eu, sem contentamento! Eu e meus batimentos descompassados não somos dois 
Corremos na linha de qualquer outra perdição Entre a brandura e a loucura, sem ponteiros para seguir Na frente aos pés, aos poucos sinto a leve intuição Alguém mais despertou depois de tempos sem sentir?

Autoria: Franciéle R. Machado

• Avessos

Não sou eu há dias, ou horas Nem anteontem desde o sentido distorcido Que vaga beirando ao silêncio Linha tênue que embriaga
Não sou horizonte, nem estrada Pois parei em pontos distantes Além da lua e da noite E há dias permaneço assim intacta
E dentre tropeços, perdi os endereços Tenho casa só dentro de mim Para não dizer que sou perdida Nestas linhas vastas de insensatez
Não sei onde ficou o espelho Pois esta face não é minha Desde que me tornei ventania desfocada Que passeia sem qualquer adereço
Embora tenha no peito ideias sozinhas Que dos avessos perdem-se por aí Não sou eu, faz dias, um mês E quem sou? Linha do verso só por dizer?
Autoria: Franciéle Romero Machado

Amigos, desculpe a ausência do blog...Continuarei compartilhando cada verso com vocês!

Peito em estopim

Conversas do anoitecer
Só eu e você
Dentre olhares confortáveis

Reinvento, paisagens aleatórias de nós
O teu humor tão seguro de si
Um gosto de que algo entre nós 
Não pode fugir assim

Um salto no ar, pra quem quer tanto
Quando teus olhos me abraçam
Te percebo em cada canto
Da minha projeção mais impensável

Sei que não é pouco
Amar desperta a intenção
De embaralhar toda a nossa razão

Insano, como quem declara o que sente tão alto
E se o depois não houvesse?
Sorriria para ti, pois viveu um sonho em mim

Um tormento que me desatinou
Um suspiro em sua voz, ouço em meu interior
A vida que desabrochou de novo enfim

Quando nos reconstruímos
Mesmo quando parecera arrancar esse afeto por medo
Reviveu, peito em estopim

Pois decerto não era para ser o fim

Autoria: Fran Romero