Pular para o conteúdo principal

• Era o nada interior





Os olhares mornos
Tropeçam em mim depressa
Querendo nada além dizer

Ontem larguei os adornos
Um era o sentimento que cessa
Deixando-me a nada querer saber

Rostos sem contorno aparecem
E ouço que o telefone havia tocado
Atendi esse silêncio, era o nada interior

Sem exatidão fatos, relatos desfalecem
Risos do antes no canto jogado
E o orgulho a tentar ser superior

Esses olhares que denotavam brandura
Nada passam a mim que tanto careço
De sensação ingênua, de mais vida

Quem alimentará essa vida insegura?
Se a cada passo é um tropeço
E ainda que é uma longa subida


----

Autoria: Franciéle R.Machado

Comentários

  1. Olá, me tocou muito a tua poesia, Franciéle.

    "Quem alimentará essa vida insegura?
    Se a cada passo é um tropeço...
    E ainda que é uma longa subida**""
    Esses versos copiei, são um reflexo de minha personalidade, e sofro pela minha insegurança... ** já perdi tanto na minha vida por isso, nem imaginas.
    Parabéns por teres escrito essa poesia e postares.
    bjusss, te sigo, sou a Mery.
    Ótimo domingo!

    ResponderExcluir
  2. Além de ser tua seguidora, me tornei uma admiradora de tuas poesias...Felicidades"***
    Mery

    ResponderExcluir
  3. Olá, voltei, citei você, no meu post de hoje, dá uma olhadinha, se quiseres colocar o teu link, fica à vontade...bjusssss

    ResponderExcluir
  4. Cheguei aqui por intermédio do blog da Mery. E valeu a pena, pois gostei muito deste poema e também do blog.
    Continuação de um bom Domingo.

    ResponderExcluir
  5. Realmente interessante, adoro ler-te menina... Apoio os elogios citados acima... E você sabe disso... ^^ beijos e continue sempre me inspirando...

    ResponderExcluir
  6. Poesia de ritmo viciante! Não consegui parar de ler até que acabasse. Eu adoro essas poesias profundas, simbolistas. Acho que a habilidade do poeta de escrever o visível nas entrelinhas é a verdadeira arte. Seu poema é lindo, e tem aquela característica que predomina em todos os BONS poemas: o fato de se ajustar a qualquer pessoa. Muito bom mesmo, adorei!

    www.vanessafunnygirl.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Lindo seu poema Fran. Sempre fortes e reflexivos. Parabéns!!
    Bjinhoss XD

    ResponderExcluir
  8. Um poema intenso de uma procura ontológica comum às pessoas sensíveis e que precisam de mais do que a própria vida dá! Bjs e boa semana!

    ResponderExcluir
  9. A vida é um constante aprendizado, os tropeços nos tornam mais atentos em relação aos caminhos e os passos, aprendemos muito com os outros que por bem ou por mal estão na nossa vida para nos ensinar sobre eles e até sobre nós mesmos que somos sempre testados, e vamos vivendo, gostei bastante dessa poesia, ela me fez pensar de uma forma especial,

    um cordial abraço poetisa!!

    ResponderExcluir
  10. Olá, Franciéle!

    A vida é um bem precioso e a sua conservação requer uma vigilância constante! Captei?

    Amanhã será outro dia!

    Suponho que até em sonho,
    Eu possa mais que a morte
    E que ao acordar estarei livre dela

    Enfrento a vida risonho
    Aposto no caos, estou com sorte?
    Aperto o passo, varo a cidadela!

    Mas, esse som reverberando no ar,
    Preocupa, dispara sentimentos
    Os mais diversos, então... o que adotar?

    conversas ásperas, estão à guerrear,
    Sirenes, disparos, gritos de sofrimentos,
    Choros, lamentações e que mais pra anotar?

    Ah! Rizadas e falas de crianças,
    O bom dia, boa sorte e o vá com Deus!
    As cores, aves, plantas e belas flores naturais.

    Termino o dia e me encho de esperanças,
    Os males não me alcançam e ajudado até por Zeus,
    Outra noite e a morte fugindo dos raios mortais!

    Um abraço!!!!!

    ResponderExcluir
  11. Olá Franciele!
    Adorei seu cantinho
    Agradeço pelo comentário!
    Estou te seguindo
    Beijos

    ResponderExcluir
  12. Ei, esse texto parece que poderia se tornar uma música. Já pensou nisso?
    Gostei muito.

    ResponderExcluir
  13. Nunca pensei em torná-la música, mas acho que não combinaria com ela...já que a música muitas vezes tem um ritmo diferente da poesia( mas tem que haver a alma da poesia) e consiste em palavras mais simples para se poder cantar. Mas penso que a ideia seria legal usar, só que com outras palavras =D

    ResponderExcluir
  14. Estranho que quando escrevi a poesia foi bem tarde da noite, eu li e achei meio sem sentido pelo tamanho sono que eu estava. Pela manhã a li e pensei, é bem o que senti mesmo naquela noite, às vezes acontecem essas coisas diferentes, escrevi e me surpreendi com a pura realidade....

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe aqui algumas palavras sobre o que compreendeu, a sua percepção do que leu...

Postagens mais visitadas deste blog

● Ponteiros tortos

Quantos sonhos loucos passaram por tua porta? Não viu as cores que tecem o céu, que mudou há tempos Perdemos a lucidez desde os anseios mais remotos Desde que a dúvida, calou qualquer tentativa torta
Me desnorteia respirar nesse véu de dias iguais Eu conversaria por horas dentro de mim mesma Com os mesmos traços e ainda os mesmos pedaços Embora sinto que meus anos correram demais
Voltaria para quem fui, correndo ao alento Retalhos do que bastou para amar, não seria para depois Basta de fugir do meu eu, sem contentamento! Eu e meus batimentos descompassados não somos dois 
Corremos na linha de qualquer outra perdição Entre a brandura e a loucura, sem ponteiros para seguir Na frente aos pés, aos poucos sinto a leve intuição Alguém mais despertou depois de tempos sem sentir?

Autoria: Franciéle R. Machado

• Avessos

Não sou eu há dias, ou horas Nem anteontem desde o sentido distorcido Que vaga beirando ao silêncio Linha tênue que embriaga
Não sou horizonte, nem estrada Pois parei em pontos distantes Além da lua e da noite E há dias permaneço assim intacta
E dentre tropeços, perdi os endereços Tenho casa só dentro de mim Para não dizer que sou perdida Nestas linhas vastas de insensatez
Não sei onde ficou o espelho Pois esta face não é minha Desde que me tornei ventania desfocada Que passeia sem qualquer adereço
Embora tenha no peito ideias sozinhas Que dos avessos perdem-se por aí Não sou eu, faz dias, um mês E quem sou? Linha do verso só por dizer?
Autoria: Franciéle Romero Machado

Amigos, desculpe a ausência do blog...Continuarei compartilhando cada verso com vocês!

Peito em estopim

Conversas do anoitecer
Só eu e você
Dentre olhares confortáveis

Reinvento, paisagens aleatórias de nós
O teu humor tão seguro de si
Um gosto de que algo entre nós 
Não pode fugir assim

Um salto no ar, pra quem quer tanto
Quando teus olhos me abraçam
Te percebo em cada canto
Da minha projeção mais impensável

Sei que não é pouco
Amar desperta a intenção
De embaralhar toda a nossa razão

Insano, como quem declara o que sente tão alto
E se o depois não houvesse?
Sorriria para ti, pois viveu um sonho em mim

Um tormento que me desatinou
Um suspiro em sua voz, ouço em meu interior
A vida que desabrochou de novo enfim

Quando nos reconstruímos
Mesmo quando parecera arrancar esse afeto por medo
Reviveu, peito em estopim

Pois decerto não era para ser o fim

Autoria: Fran Romero