Pular para o conteúdo principal

• Encontro de sorrisos



Olha que o amor me comoveu
E se moveu caminhando lentamente
Espero que não vá brevemente
De risadas todo o ambiente encheu

Quem sabe nós estejamos enganados
Mas somos tão amados
Cuidamos um do outro, sim
O seu olhar sincero repousando sobre mim

As vagas olhadas e as paisagens não podem explicar
E foi-se que em suas mãos achei carinho
E penso que antes vivíamos sozinhos
Agora acho que não quero te largar

Perdoe garoto dos olhos verdes serenos
Se tanto tenho receio em falar do amor
Como se fosse sentimentos meros, pequenos
É por causa do coração que ficou áspero de desabor

---Fran.Machado

Comentários

  1. olá,tudo bom?? adorei seu blog muito legal. já estou seguindo.
    por favor siga o meu também... www.quemderaserpoeta-1503.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Sempre fico feliz e lisonjeado com as tuas visitas no meu blogue, Fran. Eu também tenho estado completamente atolado de afazeres devido à faculdade, mas arranjo um tempo de vez em quando pra postar e comentar.
    Em relação ao texto, eu gostei demais. Ele ficou leve, parece um diálogo com o leitor, mostrando um eu lírico desarmado, apaixonado e disposto a acalmar um passado solitário com um futuro caloroso.
    Tô precisando de um amor que me inspire, pra que eu volte a escrever textos bonitos como este.
    Beijos,
    Caio Sereno

    ResponderExcluir
  3. Bonita sua poesia!
    Quando amamos é assim... e temos medo que tudo se acabe. Mas vamos vivendo o que de melhor Deus nos prensenteou do amor no presente.

    Bjinhos amiga XD

    ResponderExcluir
  4. Oi flor tudo joia ? Adorei seu blog
    já estou seguindo, segue de volta ?
    bjkas
    -------> mundofun-gabi.blogspot.com <-------

    ResponderExcluir
  5. Que lindo Poema, verdadeiro bem profundo...
    Adorei sua visita no meu cantinho... estarei sempre por aki bjus!

    ResponderExcluir
  6. Fran, mais uma bela pérola que encontro aqui.
    Escreve com uma desenvoltura impressionante.
    Grande abraço e sucesso!

    ResponderExcluir
  7. Lindo poema.. 'Perdoe garoto dos olhos verdes serenos
    Se tanto tenho receio em falar do amor
    Como se fosse sentimentos meros, pequenos
    É por causa do coração que ficou áspero de desabor'
    foi com a qual mais de identifiquei..
    Seguindo, espero que volte para me visitar.

    Estou querendo mudar o nome do MML, aceito sugestões!
    beijos
    http://meumundoloove.blogspot.com.br
    http://dicionario-feminino.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. És imensa no sentir...


    Doce beijo

    ResponderExcluir
  9. Amor é um tema extremamente complicado.
    Eu como exemplo, tenho muito medo de tocar no assunto, às vezes eu acho que encontrei uma pessoa que eu possa partilhar diversas coisas e tal, e quando menos vejo, essa pessoa some da minha vida.
    Sou uma pessoa muito “azarada” com o amor, se é que existe sorte ou azar.
    Mas enfim, me amarrei no seu texto, você escreve super bem!
    Parabens, de coração.
    De Reinaldo Del Trejo.
    Quando tiver um tempinho, faça uma visita no “meu mundo”.
    http://reinaldodeltrejo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. CONVITE

    Primeiro, eu vim ler o seu blogue.
    Agora, estou lhe convidando a visitar o meu, e se possivel seguirmos juntos por eles. O meu blogue, é muito simples. Mas, leve e dinamico. Palpitamos sobre quase tudo, diversificamos as idéias. Mas, o que vale mesmo, é a amizade que fizermos.
    Estarei grato, esperando VOCÊ, lá.
    Abraços do
    http://josemariacostaescreveu.blogspot.com

    ResponderExcluir
  11. Olá,

    estou seguindo seu blog, se quiser seguir o meu, ficarei feliz.
    beijos

    www.tracasebaratas.blogspot.com

    ResponderExcluir
  12. Olá!Bom dia!
    Tudo bem?
    ... quando acometidos por esse sentimento, sabe-se bem, somos capazes de flertar com a mais completa ausência de lógica,já que poderíamos nos guiar pela coerência de falar de amor para o amor...

    Obrigado pelo carinho da participação em meu blog!
    Boa quarta feira!
    Beijos com carinho

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe aqui algumas palavras sobre o que compreendeu, a sua percepção do que leu...

Postagens mais visitadas deste blog

● Ponteiros tortos

Quantos sonhos loucos passaram por tua porta? Não viu as cores que tecem o céu, que mudou há tempos Perdemos a lucidez desde os anseios mais remotos Desde que a dúvida, calou qualquer tentativa torta
Me desnorteia respirar nesse véu de dias iguais Eu conversaria por horas dentro de mim mesma Com os mesmos traços e ainda os mesmos pedaços Embora sinto que meus anos correram demais
Voltaria para quem fui, correndo ao alento Retalhos do que bastou para amar, não seria para depois Basta de fugir do meu eu, sem contentamento! Eu e meus batimentos descompassados não somos dois 
Corremos na linha de qualquer outra perdição Entre a brandura e a loucura, sem ponteiros para seguir Na frente aos pés, aos poucos sinto a leve intuição Alguém mais despertou depois de tempos sem sentir?

Autoria: Franciéle R. Machado

• Avessos

Não sou eu há dias, ou horas Nem anteontem desde o sentido distorcido Que vaga beirando ao silêncio Linha tênue que embriaga
Não sou horizonte, nem estrada Pois parei em pontos distantes Além da lua e da noite E há dias permaneço assim intacta
E dentre tropeços, perdi os endereços Tenho casa só dentro de mim Para não dizer que sou perdida Nestas linhas vastas de insensatez
Não sei onde ficou o espelho Pois esta face não é minha Desde que me tornei ventania desfocada Que passeia sem qualquer adereço
Embora tenha no peito ideias sozinhas Que dos avessos perdem-se por aí Não sou eu, faz dias, um mês E quem sou? Linha do verso só por dizer?
Autoria: Franciéle Romero Machado

Amigos, desculpe a ausência do blog...Continuarei compartilhando cada verso com vocês!

Peito em estopim

Conversas do anoitecer
Só eu e você
Dentre olhares confortáveis

Reinvento, paisagens aleatórias de nós
O teu humor tão seguro de si
Um gosto de que algo entre nós 
Não pode fugir assim

Um salto no ar, pra quem quer tanto
Quando teus olhos me abraçam
Te percebo em cada canto
Da minha projeção mais impensável

Sei que não é pouco
Amar desperta a intenção
De embaralhar toda a nossa razão

Insano, como quem declara o que sente tão alto
E se o depois não houvesse?
Sorriria para ti, pois viveu um sonho em mim

Um tormento que me desatinou
Um suspiro em sua voz, ouço em meu interior
A vida que desabrochou de novo enfim

Quando nos reconstruímos
Mesmo quando parecera arrancar esse afeto por medo
Reviveu, peito em estopim

Pois decerto não era para ser o fim

Autoria: Fran Romero