Pular para o conteúdo principal

• Em doses certas


Esse amor é um dia de calmaria
Em que todos sonham sem hesitar
No ritmo das palavras meigas

Você é a cor da poesia
Que me desnorteia para me alegrar
Na minha alma se aconchega

Nem exageros e nem desesperos
Doses certas do amor para sentir
Na dose certa para me apaixonar

Eis que andamos em passos sinceros e inteiros
Na velocidade que chegamos a se refletir
E que nos deixa nos achar

Só se perder sem a previsão
Cartas remetidas e selo de coração
Nosso destino é esse imprevisto

Um amor dando a cor a escuridão
Desvia tempestades em formação
É sempre tempo bom, um vasto misto

---
Autoria: Franciéle R.Machado

Comentários

  1. Franciéle....
    Poema lindo. Doce e recheado de ternura.. notei algo que talvez, digo, talvez, você não tenha percebido.... São estrofes de 3 versos.... típicos de pessoas que sabem expressar seus sentimentos de forma mais tranquila....
    Lindo o poema.
    Beijos.....

    ResponderExcluir
  2. Peço perdão pois o comentário acima saiu com o endereço de meu blog erótico....
    Pode cancelá-lo se quiser... mas deixo o mesmo comentário.
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo bem, o comentário acima ficou bem legal e seria uma pena tirá-lo.
      Visto que em meu blog não impeço nenhum outro blog de comentar já que ele é público e por mais que o conteúdo do outro blog não seja de meu interesse.Também a imagem não chega a ser algo altamente ofensivo. Abraços! Boa Tarde!

      Excluir
  3. Poxa, amor, fiquei comovido adorei cada verso e cada palavra, consigo sentir neste poemas coisas do dia a dia de nosso relacionamento, expressando tais mágicas sentimentais que sentimos e vivenciamos em cada um de nosso inumeros encontros, vejo nas suas doces palavras as mesmas coisas que sinto por você!!! Parabéns, Por esta linda poesia, e também pelos 10 meses de namoro que completamos hoje!!!

    ResponderExcluir
  4. Olá´, Franciéle!!!!

    Boa tarde!!!!

    Parabéns, pelo poema tão cativante!!!! Acho que estou vendo um pássaro-lira, em pleno ritual de acasalamento, quando procura convencer a sua talvez, futura amada!!!!

    O amor vence até o ódio, que é o maior dos venenos para o ser humano, deixando-o doente e mau!!!!
    Então, para a cura desse mal que não é mau em si, mas, causa desamor, temos o único antídoto, o amor!!!!
    É de fato, o remédio a ser usado, mas, deverá ser ministrado com dosagens na medida certa, para cada paciente, nisso você está certa, maestrina das palavras versejadas, a nos conduzir nessa onírica caminhada ritmada, desse seu poema de amor dosado, mas, triunfal!!!!

    Um abraço!!!!!

    ResponderExcluir
  5. Bom dia minha querida, vim avisar que te indiquei a um desafio da
    leitura em meu blog, gostaria muuuito muito mesmo que participasse!
    Um abraço. Aguardo anciosamente sua resposta.

    http://t-alvez-p-oeta.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. lindo!
    Muito boa , parabéns, e continue com essa inspiração
    Att.
    Nei Vagner
    nei_amoroso@hotmail.com,

    ResponderExcluir
  7. Ah Fran que isso eu que lhe agradeço por ter me visitado e comentado em meu cantinho.. estou muuuito feliz mesmo por saber que você aceitou participar do desafio da leitura.. beijos e um grande abraço.

    ResponderExcluir
  8. É tão bom quando se encontra esse amor que nos completa em tudo e ao mesmo tempo nos deixa sem folêgo.

    Acho que não existe felicidade maior do que quando se encontra a alma gêmea, é mágico quando duas pessoas podem se tornar apenas uma...

    Enfim, adorei a poesia Fran!

    Desculpe a demora, não estava conseguindo comentar,
    mas já resolvi o problema... Bjos!

    ResponderExcluir
  9. As palavras casam em doses certas até mesmo amor e dor, se para quê, diz o compositor, não sei. Porém, da gelosia da janela da juventude podemos ver folhas, versos, vento, alegria, canção inspirando o coração, desviando a tensão de tempo em tempo...

    Abraçado, Fran!

    ResponderExcluir
  10. Poesia linda, cheia de sentimentos puros, sinceros... gostei muito!

    Beijos amiga :)

    ResponderExcluir
  11. Vengo del blog de Jeferson Diaz y me ha encantado tu Rincón; por lo cual, si no te importa, me gustaría ser seguidor de tan bello Espacio, que es el Tuyo.
    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  12. Linda obra, Fran!
    Elogiá-la está se tornando algo comum.
    Já disse e repito, suas obras são muito maduras, é um deleite visitar seu espaço!
    Grande abraço, sucesso e grato pela visita!

    ResponderExcluir
  13. Blog fantástico, é para mim um privilégio poder ler as suas palavras, de certo que mais vezes virei aqui, no entanto agora vim para encontrar novos amigos e ao mesmo tempo divulgar meu blog.
    Quero apresentar o Peregrino E Servo. Gostava que visse meu blog e desejar fazer parte dos meus amigos virtuais esteja à vontade, mas faça-o apenas se desejar.
    Muitas felicidades e saúde.
    Sou António Batalha.

    ResponderExcluir
  14. Booom dia *--* que blog mais lindo! estou seguindo.. será que poderia retribuir? ficaria muito honorada!
    http://maybe-i-smiled.blogspot.com.br/
    http://dicionario-feminino.blogspot.com.br/
    Tenha uma ótima semana e fique com Deus!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe aqui algumas palavras sobre o que compreendeu, a sua percepção do que leu...

Postagens mais visitadas deste blog

● Ponteiros tortos

Quantos sonhos loucos passaram por tua porta? Não viu as cores que tecem o céu, que mudou há tempos Perdemos a lucidez desde os anseios mais remotos Desde que a dúvida, calou qualquer tentativa torta
Me desnorteia respirar nesse véu de dias iguais Eu conversaria por horas dentro de mim mesma Com os mesmos traços e ainda os mesmos pedaços Embora sinto que meus anos correram demais
Voltaria para quem fui, correndo ao alento Retalhos do que bastou para amar, não seria para depois Basta de fugir do meu eu, sem contentamento! Eu e meus batimentos descompassados não somos dois 
Corremos na linha de qualquer outra perdição Entre a brandura e a loucura, sem ponteiros para seguir Na frente aos pés, aos poucos sinto a leve intuição Alguém mais despertou depois de tempos sem sentir?

Autoria: Franciéle R. Machado

• Avessos

Não sou eu há dias, ou horas Nem anteontem desde o sentido distorcido Que vaga beirando ao silêncio Linha tênue que embriaga
Não sou horizonte, nem estrada Pois parei em pontos distantes Além da lua e da noite E há dias permaneço assim intacta
E dentre tropeços, perdi os endereços Tenho casa só dentro de mim Para não dizer que sou perdida Nestas linhas vastas de insensatez
Não sei onde ficou o espelho Pois esta face não é minha Desde que me tornei ventania desfocada Que passeia sem qualquer adereço
Embora tenha no peito ideias sozinhas Que dos avessos perdem-se por aí Não sou eu, faz dias, um mês E quem sou? Linha do verso só por dizer?
Autoria: Franciéle Romero Machado

Amigos, desculpe a ausência do blog...Continuarei compartilhando cada verso com vocês!

• Fria e magoada

Esse vento gélido para meus ossos Deste nublado céu de quatro e pouco da tarde Sinto como se flutuasse dentro de mim
Isso parece ser ideal para os dias nossos E sem gritar, sem qualquer alarde Não temeria hoje qualquer dia assim
Antes um devaneio assim não quisera Pois tinha medo do que os loucos diriam Do frio e sua leve brisa fria e magoada
Dessa suave sensação na pele, como pudera É só uma infâmia que repudiam! Essa brisa sobre a face, perfeita e desbotada
Só por este instante Quisera cair e recair neste devaneio
Infinitamente, visceralmente
Autoria: Franciéle R.Machado