Pular para o conteúdo principal

• A desordem é tanta




A quanto tempo e não disse adeus
Deixei o pó chegar a surgir
Para esconder, o que viraram museus
Nesse lugar de sombras, permitir

A quantas horas já não venho 
Que tenho pena de tal silêncio a pousar
Agora chora e observa com empenho
Ao curso que vão os dias, com pesar

E nem dizer do rumo da percepção
Que hoje não canta, se cala e levanta
Espera um carinho de alguma inspiração
Ainda assim, o pó chega e a desordem é tanta!
---
Autoria: Franciéle R.Machado

Comentários

  1. Bom dia, Fran!!!! Olá, amigos googleanos, facebookeanos e... bloogueanos!!!! Ela voltou!!!! Nem precisava, mas mesmo asim, retorna mais letrada, rsrsrsrsrs, e sem dúvida, mais disposta a perturbar aquele paraíso de silêncio que se estabeleceu por aqui, e para isso, ela lança a primeira serpente vibradora, tão necessária para sacudir s nosss mentes, irmã daquelas anteriormente já usadas nesse espaço e as demais que se apresentarão por aqui!!!!
    Seja bem-vinda, linda poeta dos pampas, que a todos encanta com o vosso versejar!!!!
    Um abraço!!!!!

    ResponderExcluir
  2. Bom dia, Franciélle!!!! Olá, amigos googleanos, facebookeanos e... bloogueanos!!!! Ela voltou!!!! Nem precisava, mas mesmo asim, retorna mais letrada, rsrsrsrsrs, e sem dúvida, mais disposta a perturbar aquele paraíso de silêncio que se estabeleceu por aqui, e para isso, ela lança a primeira serpente vibradora, tão necessária para sacudir s nosss mentes, irmã daquelas anteriormente já usadas nesse espaço e as demais que se apresentarão por aqui!!!!
    Seja bem-vinda, linda poeta dos pampas, que a todos encanta com o vosso versejar!!!!
    Um abraço!!!!!

    ResponderExcluir
  3. Olá Fran, claro que me lembro de ti e da falta de suas obras! Que bom que esteja de volta!
    Linda poesia, e o curso da vida é tão rápido, tantas palavras que deixamos de dizer e quantas ações deixamos de tomar...suas obras sempre escritas com maestria, inteligência e riqueza em sentimentos!
    Grande abraço, sucesso e grato pela visita!

    ResponderExcluir

  4. Seu blog é um encanto!

    Se puder dá uma passadinha no meu e segue também se gostar.

    Beijos
    Ani

    HTTP://cristalssp.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. OI FRANCIELE!
    QUE LEGAL!
    FICO ENCANTADA QUANDO VEJO UMA PESSOA JOVEM COMO TU E CORAJOSA LUTANDO PELO QUE GOSTA E MOSTRANDO O TALENTO QUE TENS.
    GOSTEI DEMAIS DE TE VER CANTANDO, ME LEMBROU A PITI QUE ACHO DEMAIS.
    TODA A SORTE DO MUNDO PARA TI E DESEJO TE VER, NUMA DESSAS, PODENDO MOSTRAR TEU TALENTO PARA TODO O BRASIL, SÓ PARA COMEÇAR.
    ABRÇS
    -http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Infelizmente, minha vida está uma correria sem fim e por isso quero pedir desculpas aos amigos, pois estou sem tempo para postar e para os visitar os blogs que tanto estimo.
    Em breve entrarei voltando à normalidade.

    Beijos
    Ani

    ResponderExcluir
  7. A Verdade Em Poesia, está a tentar visitar a todos os seus seguidores,
    para deixar abraço amigo e agradecer por termos ficado juntos mais um ano,
    desejar também que este ano lhe traga muitas alegrias, e grandes vitórias.
    Atenciosamente. António.
    PS. tive de seguir outra vez porque estava sem foto, ou sem endereço.

    ResponderExcluir
  8. Voltei a blogar e aguardo visita dos amigos queridos.
    Um abraço!

    http://momentosbrancoepreto.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe aqui algumas palavras sobre o que compreendeu, a sua percepção do que leu...

Postagens mais visitadas deste blog

● Ponteiros tortos

Quantos sonhos loucos passaram por tua porta? Não viu as cores que tecem o céu, que mudou há tempos Perdemos a lucidez desde os anseios mais remotos Desde que a dúvida, calou qualquer tentativa torta
Me desnorteia respirar nesse véu de dias iguais Eu conversaria por horas dentro de mim mesma Com os mesmos traços e ainda os mesmos pedaços Embora sinto que meus anos correram demais
Voltaria para quem fui, correndo ao alento Retalhos do que bastou para amar, não seria para depois Basta de fugir do meu eu, sem contentamento! Eu e meus batimentos descompassados não somos dois 
Corremos na linha de qualquer outra perdição Entre a brandura e a loucura, sem ponteiros para seguir Na frente aos pés, aos poucos sinto a leve intuição Alguém mais despertou depois de tempos sem sentir?

Autoria: Franciéle R. Machado

• Avessos

Não sou eu há dias, ou horas Nem anteontem desde o sentido distorcido Que vaga beirando ao silêncio Linha tênue que embriaga
Não sou horizonte, nem estrada Pois parei em pontos distantes Além da lua e da noite E há dias permaneço assim intacta
E dentre tropeços, perdi os endereços Tenho casa só dentro de mim Para não dizer que sou perdida Nestas linhas vastas de insensatez
Não sei onde ficou o espelho Pois esta face não é minha Desde que me tornei ventania desfocada Que passeia sem qualquer adereço
Embora tenha no peito ideias sozinhas Que dos avessos perdem-se por aí Não sou eu, faz dias, um mês E quem sou? Linha do verso só por dizer?
Autoria: Franciéle Romero Machado

Amigos, desculpe a ausência do blog...Continuarei compartilhando cada verso com vocês!

• Fria e magoada

Esse vento gélido para meus ossos Deste nublado céu de quatro e pouco da tarde Sinto como se flutuasse dentro de mim
Isso parece ser ideal para os dias nossos E sem gritar, sem qualquer alarde Não temeria hoje qualquer dia assim
Antes um devaneio assim não quisera Pois tinha medo do que os loucos diriam Do frio e sua leve brisa fria e magoada
Dessa suave sensação na pele, como pudera É só uma infâmia que repudiam! Essa brisa sobre a face, perfeita e desbotada
Só por este instante Quisera cair e recair neste devaneio
Infinitamente, visceralmente
Autoria: Franciéle R.Machado